domingo, 7 de fevereiro de 2016

Campeonato Mineiro 1959

Procópio, Amauri, Emerson, Hilton Oliveira, Nilsinho, Massinha, Cléver, Nelsinho, Dirceu, Raimundinho e Genivaldo

Carlos Henrique

CAMPEONATO MINEIRO 1959

Campanha do Cruzeiro
Turno
06/12 - 4 x 0 Renascença (Eucaliptos)
12/12 - 5 x 2 Meridional
17/12 - 2 x 1 Bela Vista-SL
20/12 - 0 x 1 Villa Nova (Bonfim)
27/12 - 1 x 2 América (Independência)
06/01/1960 - 3 x 0 Guarani
10/01/1960 - 3 x 0 Pedro Leopoldo (César Julião)
14/01/1960 - 3 x 1 Democrata (Duarte de Paiva)
17/01/1960 - 2 x 1 Siderúrgica
24/01/1960 - 2 x 1 Atlético (Independência)
Returno
31/01/1960 - 2 x 1 Pedro Leopoldo
05/02/1960 - 3 x 2 Guarani (Porto Velho)
07/02/1960 - 1 x 1 Meridional (Barrancos)
11/02/1960 - 0 x 0 Villa Nova
14/02/1960 - 2 x 1 Bela Vista (Santa Luzia)
21/02/1960 - 3 x 2 Atlético (Independência)
24/02/1960 - 1 x 0 Siderúrgica (Praia do Ó)
07/03/1960 - 3 x 0 Renascença
13/03/1960 - 2 x 1 América (Independência)
20/03/1960 - 3 x 1 Democrata

Classificação: 1º Cruzeiro (campeão); 2º America; 3º Democrata-SL e Villa Nova; 5º atletico; 6º Pedro Leopoldo e Renascença; 8º Meridional e Siderúrgica; 10º Bela Vista; 11º Guarani
*Cruzeiro classificado para o Campeonato Brasileiro de 1960, como campeão máximo de Minas Gerais
Artilheiro Máximo: Gunga (America) com 17 gols
Torneio Início: não houve
Campeão Amador da Cidade (DFA): Independente

Fórmula de disputa
Turno e Returno. Classificação definida no sistema de pontos corridos, sem acesso e rebaixamento, pois não havia Série B.

Critérios de participação
Equipes classificadas no Torneio Eliminatório

Sistema 2-3-5:
Genivaldo, Massinha e Procópio; Nilsinho, Amauri  e Clever; Raimundinho (Gradim), Abelardo, Nelsinho (Dirceu), Emerson e Hilton Oliveira. Técnicos: Adelino (4) e Niginho (16)

Quem jogou
Amauri, Clever, Emerson, Procópio e Raimundinho 20
Genivaldo e Nelsinho 18
Nilsinho 15
Massinha 14
Abelardo 11
Gradim 10
Dirceu e Hilton Oliveira 9
Orlando e Pireco 4
Nerival 3
Rossi (goleiro) e Vavá 2
Mirim 1

Quem marcou gols
Raimundinho 10
Emerson 9
Amauri e Nelsinho 6
Gradim 5
Abelardo 4
Dirceu e Orlando 2
Hilton Oliveira 1

Campeonato em discussão
As discussões quanto a criação de uma fórmula menos deficitária para o Campeonato permaneciam em 1959. O Sete propôs a anulação do Torneio eliminatório para indicar os participantes, já o Atletico queria a extinção do Campeonato. Celso Alvares (presidente do Siderúrgica) era a favor de todos os jogos disputados em Belo Horizonte.

Mais um clube do futebol de fábrica
A inscrição do Valério, de Itabira, foi aceita. Com isso aumentou para 17 o número de clubes na Divisão Extra de Profissionais. O Valerio pertencia a Cia Vale do Rio Doce e tornou-se o sexto "clube de futebol de fábrica" na divisão extra; os outros eram o Villa Nova (Mineração Morro Velho), Siderúrgica (Cia Belgo Mineira), Meridional (Mineração Morro da Mina); Metalusina (Cia Usinas Siderugicas) e Renascença (Fabrica de Tecidos Renascença).

Torneio Eliminatório
O conselho divisional decidiu aumentar de 8 para 11 o número de participantes do Campeonato. Entre 4 de julho a 15 de novembro foi disputado o torneio eliminatório que selecionou os participantes. O torneio foi dividido em três chaves regionais e disputado em turno e returno. Os classificados na Zona Centro foram pela ordem: 1º Cam; 2º America; 3º Cruzeiro; 4º Renascença; e os eliminados foram: 5º Uberaba; 6º Sete. Os classificados na Zona do Sertão foram pela ordem: 1º Democrata; 2º Pedro Leopoldo; 3º Bela Vista; 4º Guarani; e os eliminados foram: 5º Curvelo; 6º Asas. Os classificados na Zona Metalúrgica foram pela ordem: 1º Siderúrgica; 2º Villa Nova; 3º Meridional; e os eliminados foram: 4º  Valerio; 5º Metalusina. O torneio não fez parte do Campeonato (Diario da Tarde, 23/05/1959).

Volta aos pontos corridos
A formula turno e returno e o critério dos pontos corridos voltou a ser praticada no Campeonato, após 10 anos.

Conselho Divisional
O ex-presidente do America, Jorge Ibrahim, propôs uma fórmula discriminatória quanto ao peso dos votos dos clubes no conselho divisional. Não aceita igualdade dos clubes do interior com os da capital e propõe reformas nos estatutos da Federação. Ele sugeria o modelo do campeonato carioca com América, Atlético e Cruzeiro contando com 5 votos, um bloco intermediário formado por Sete, Siderúrgica e Villa Nova com 4 votos e o restante dos clubes do interior com apenas um voto (Estado de Minas, 13/12/1959).

Proposta de criação da Segunda Divisão
O presidente do EC Itaúna, José Lopes de Oliveira Filho, liderou um movimento para a criação de uma segunda divisão e a lei de acesso (Estado de Minas, 02/03/1960). 

Mudanças nas regras da FIFA
Passou a ser permitida a substituição de um atleta, até os 44 minutos de jogo, mais o goleiro em caso de contusão em qualquer momento da partida. A CBD determinou que as federações deveriam aplicar a nova regra, a partir de 1 de janeiro de 1960.(Estado de Minas, 04/02/1960).

America e Democrata
O jogo entre Democrata e America, em 17 de dezembro, pelo turno, foi interrompido aos 82 minutos, quando o placar apontava 2 a 1 para o time setelagoano. O resultado deste jogo ainda poderia interferir na tabela de classificação. É que o Cruzeiro encerrou o campeonato com um ponto de vantagem sobre o America e, caso os 8 minutos restantes do jogo fossem disputados e o America alcançasse o empate, provocaria uma decisão de título com o Cruzeiro. Caso o America virasse o placar, seria o campeão. O presidente do America, Wilson Gosling, pretendia desistir do recurso para não atrapalhar a excursão do time a Europa, que renderia um lucro estimado de Cr$ 1 milhão.

Em 15 de janeiro de 1960, o TJD decidiu que América e Democrata deveriam retornar a campo para a disputa dos 8 minutos restantes, mas não enviou o processo para a FMF fixar a data (Estado de Minas, 16/01/1960). Em 16 de março, o presidente da FMF, Francisco Castro Côrtes, anunciou que iria cumprir a determinação do TJD no prazo de 20 dias. Caso as equipes não voltem a campo para completar o tempo regulamentar, o jogo será considerado nulo, uma vez que as regras da Fifa e do Código Brasileiro de Futebol consideram que os jogos devem ter duração de 90 minutos. (Estado de Minas, 17/03/1960).

O árbitro Geraldo Toledo justificou que havia encerrado o jogo, após dado os descontos e que não restavam nenhum minuto a ser jogado. Ele foi suspenso por 60 dias pelo TJD (Estado de Minas, 29/03/1960). O caso foi parar no STJD, em 2 de junho de 1960. O America não enviou o processo e o Cruzeiro foi proclamado campeão e classificado para o Campeonato Brasileiro (Estado de Minas, 16/06/1960).

Campeonato Mineiro 1958

Em pé: Leston, Adelino, Vavá, Cléver, Amauri, Rossi; Agachados: Pelau, Dirceu, Elmo, Nívio e Raimundinho

Carlos Henrique

CAMPEONATO MINEIRO 1958

Campanha do Cruzeiro
1º turno
30/10 - Cruzeiro 1 x 0 Siderúrgica
09/11 - Cruzeiro 1 x 2 Democrata-SL (Duarte de Paiva)
13/11 - Cruzeiro 2 x 0 Bela Vista-SL
20/11 - Cruzeiro 2 x 2 América (Independência)
27/11 - Cruzeiro 1 x 0 Sete (Independência)
07/12 - Cruzeiro 0 x 3 Atlético (Independência)
14/12 - Cruzeiro 3 x 1 Uberaba (Boulanger Pucci)
2º turno
10/01/1959 - Cruzeiro 5 x 2 Sete (Independência)
18/01/1959 - Cruzeiro 0 x 1 Siderúrgica (Praia do Ó)
25/01/1959 - Cruzeiro 1 x 1 América (Independência)
31/01/1959 - Cruzeiro 2 x 0 Democrata-SL
15/02/1959 - Cruzeiro 4 x 0 Uberaba
22/02/1959 - Cruzeiro 0 x 0 Bela Vista-SL (Duarte de Paiva)
01/03/1959 - Cruzeiro 1 x 0 Atlético (Independência)
Decisão do 2º turno
05/04/1959 - Cruzeiro 1 x 1 América (Independência)
09/04/1959 - Cruzeiro 1 x 1 América (Independência)
12/04/1959 - Cruzeiro 1 x 3 América (Independência)

Classificação: 1º Cam (campeão); 2º America; 3º Cruzeiro; 4º Siderúrgica; 5º Democrata e Uberaba; 7º Sete; 8º Bela Vista
*Cam classificado para o Campeonato Brasileiro de 1959, como campeão máximo do estado.
Artilheiros Maximos: Silvestre (Siderúrgica) e Paulinho (Uberaba) com 10 gols
Torneio Início: não houve

Fórmula de disputa
Dois turnos distintos. Os vencedores de cada turno disputaram o título numa série decisiva. Caso uma mesma equipe vencesse os dois turnos seria campeã direta.

Critérios de participação
Equipes classificadas no Torneio Eliminatório

Sistema 2-3-5
Rossi, Vavá e Massinha; Nilsinho (Adelino), Amauri e Clever; Iranildo, Pelau, Dirceu, Guerino e Nívio. Técnicos: Artur Nequessaurt (6), Fábio e Joaquim Gramisceli (1), Gérson (11)

Quem jogou
Clever 17
Amauri, Pelau e Rossi (goleiro) 16
Dirceu 15
Guerino e Vavá 14
Massinha 12
Nilsinho 9
Adelino, Iranildo, Nívio 8
Leston e Zezinho 6
Haroldo e Raimundinho 5
Elmo, Emerson e Pireco 3
Chiquinho, Eduardo e Mirim 1

Quem marcou gols
Pelau 8
Guerino 5
Amauri 3
Haroldo e Raimundinho 2
Dirceu, Emerson, Iranildo, Leston, Nívio e Zezinho1

Golpe na Fórmula Siderúrgica
Os clubes da capital promoveram um golpe contra a fórmula proposta pelo Siderúrgica de se criar um campeonato mineiro dividido em regiões e passaram a aceitar a inscrição de vários clubes do interior na divisão extra de profissionais: Bela Vista (Sete Lagoas), Curvelo, Pedro Leopoldo e Renascença (time de futebol de fábrica e amador de Belo Horizonte) foram incluídos na "extra" em 9 de janeiro; o Guarani (Divinópolis) e o Uberaba, em 26 de janeiro.

Campeão de BH contra o campeão de Juiz de Fora pelo título de "campeão mineiro"
Enquanto os clubes discutiam a revisão da divisão extra de profissionais da capital, os jornais cobravam uma antiga pendência que nunca foi cumprida, que era a disputa do título de campeão mineiro, entre os vencedores da divisão extra (BH) e da divisão de Juiz de Fora. "A propósito consta do calendário da entidade mineira o jogo entre o campeão da extra e de juiz de fora. O certame de Juiz de Fora está prestes a terminar, mas até o momento não se cogita de reservar a data. A entidade montanhesa parece ignorar a existência do calendário (Diario da Tarde, 23/01/1958)

Torneio Eliminatório
Atlético e America não aceitavam a disputa de um Campeonato com 14 clubes (antes da inclusão de Guarani e Uberaba) e exigiam uma cota mínima de Cr$ 20 mil para jogarem no interior. Atletico propôs a fórmula do campeonato paulista, que incluía a disputa de um torneio eliminatório. O Conselho divisional, em 4 de fevereiro, decidiu por 8 votos a 7, pela criação de um torneio eliminatório para apontar os participantes do Campeonato Mineiro de 1958. O Torneio seria disputado em rodadas duplas com todos os jogos na capital. Ficou decidida a redução de 10 para 8 times no Campeonato. Isso ficou entendido como um golpe contra os "times de futebol de fábrica", como o Meridional e o Metalusina, para eliminá-los do campeonato. O Eliminatório foi disputado por 16 clubes, entre 27 de abril e 14 de setembro. Apesar dos jogos disputados em Belo Horizonte e, em estádios neutros, foi disputado, desnecessariamente, um returno. Devido a isso, o Campeonato de 1958 atravessou o ano de 1959 e retardou o início dos campeonatos dos anos seguintes. As 8 equipes classificadas no Torneio Eliminatório pela ordem foram: 1º Cam; 2º America, Democrata e Sete; 5º Uberaba; 6º Siderúrgica; 7º Bela Vista; 8º Cruzeiro; e os eliminados pela ordem foram: 9º Renascença; 10º Meridional; 11º Villa Nova; 12º Pedro Leopoldo; 13º Asas; 14º Curvelo; 15º Metalusina; 16º Guarani.

Eliminatório cumpria a lei de acesso
O Torneio Eliminatório nada mais é que a lei de acesso, como bem define o artigo 31 do código de futebol da FMF. Não é amparado pela legislação (Diario da Tarde, 09/07/1958). Por não ser amparado pela legislação, os clubes tentaram aumentar o número de participantes do Campeonato Mineiro de 8 para 10, inclusive, o Villa Nova, que não se conformava com a sua eliminação em campo, mas a proposta foi rejeitada. O Villa contestava a ilegalidade da disputa e reivindicava "direitos adquiridos" para a disputa do Campeonato por ser um dos clubes filiados mais antigos. O Conselho Nacional do Desporto-CND considerou o torneio eliminatório legal, em 22 de agosto, sob o argumento de que o conselho divisional tem poder de assembleia geral.

Eliminatório não foi uma fase do Campeonato
Em fevereiro de 1959, o Tribunal de Justiça Desportiva-TJD não considerou o torneio eliminatório, como parte integrante do Campeonato Mineiro, ao contrário do Conselho Superior da Federação Mineira. A diferença no entendimento gerou uma crise entre os dois setores. A discussão teve início, após um recurso do atletico pedindo a perda dos pontos do america no campeonato de aspirantes de 1958, nos jogos em que o atleta Guido foi escalado. É que o jogador havia atuado em 10 partidas pelo America, no Eliminatório. Segundo os critérios da categoria de aspirantes, o atleta que somasse metade de jogos oficiais da temporada no time principal era considerado titular e não poderia atuar em jogos oficiais dos aspirantes. O TJD manteve os pontos do america e o título do 1º turno de aspirantes por entender que o Eliminatório não fazia parte do Campeonato Mineiro de 1958.

Virada de mesa
O Cruzeiro, como vencedor do 2º turno, faria a decisão do titulo contra o atletico, que levou o 1º turno. No entanto, uma virada de mesa adiou a decisão. É que, na última rodada, em 1º de março de 1959, Uberaba e America empataram (2 a 2) e ambos foram ultrapassados na tabela pelo Cruzeiro, que havia vencido o atletico. Num fato inédito na história, o Uberaba (influenciado pelo America) entrou com um recurso no TJD pedindo a anulação do próprio jogo. A manobra teve o conluio do árbitro Luiz Guarda (Luiz Pereira Filho) que relatou na súmula que o alambrado do estádio Boulanger Pucci estava alguns centímetros abaixo do permitido. O TJD considerou “erro de direito” e anulou o jogo. O fato curioso é que a medição do alambrado foi feita pelo árbitro com uma fita métrica, quando esta inspeção cabia ao delegado do jogo. Outra partida foi marcada para 29 de março, sob protestos do Cruzeiro. O America venceu o Uberaba (2 a 1) e o resultado colocou o alviverde com a mesma pontuação do Cruzeiro. Os rivais tiveram que decidir o título do 2º turno numa série decisiva.

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Campeonato da Cidade 1957

Carlos Henrique

CAMPEONATO DA CIDADE 1957

Campanha do Cruzeiro
1º turno
30/06 - Cruzeiro 3 x 3 Metalusina (Alencar Peixoto)
07/07 - Cruzeiro 1 x 1 Asas (Alameda)
13/07 - Cruzeiro 4 x 1 Sete (Independência)
20/07 - Cruzeiro 2 x 2 América
28/07 - Cruzeiro 3 x 1 Siderúrgica (Praia do Ó)
04/08 - Cruzeiro 2 x 0 Meridional
11/08 - Cruzeiro 0 x 1 Villa Nova
18/08 - Cruzeiro 0 x 3 Democrata-SL (Duarte de Paiva)
25/08 - Cruzeiro 1 x 0 Atlético (Independência)
Classificação: 1º Democrata; 2º America, Cam e Cruzeiro; 5º Meridional e Villa Nova; 7º  Metalusina e Siderúrgica; 9º Asas e Sete

2º turno
29/09 - Cruzeiro 2 x 0 Metalusina
06/10 - Cruzeiro 4 x 1 Asas (Parque Aeronáutico)
13/10 - Cruzeiro 1 x 1 Democrata-SL
20/10 - Cruzeiro 1 x 1 América (Alameda)
26/10 - Cruzeiro 1 x 0 Sete (Independência)
03/11 - Cruzeiro 0 x 1 Siderúrgica
10/11 - Cruzeiro 0 x 0 Villa Nova (Bonfim)
23/11 - Cruzeiro 0 x 1 atlético (Independência)
28/11 - Cruzeiro 0 x 0 Meridional (Barrancos)
Classificação: 1º America; 2º Siderúrgica; 3º Cam; 4º Cruzeiro e Villa Nova; 6º Democrata; 7º Asas; 8º Meridional e Sete; 10º Metalusina

Classificação Final do Campeonato: 1º America (campeão); 2º Democrata; 3º Cam; 4º Cruzeiro; 5º Villa Nova; 6º Siderúrgica; 7º Meridional; 8º Asas; 9º Metalusina; 10º Sete
Artilheiro Máximo: Bertolo (Democrata) com 16 gols
Campeão do Campeonato de Aspirantes: America
Campeão do Torneio Início: America

Fórmula de disputa:
Dois turnos distintos. Os vencedores de cada turno decidiam o título numa série decisiva. Caso uma mesma equipe vencesse os dois turnos seria campeã. Sem acesso e rebaixamento, pois não havia Série B.

Critérios de participação:
Clubes profissionais filiados a FMF e inscritos no Campeonato. O Sete disputou o Campeonato como agregado

Sistema 3-5-2
Genivaldo, Vavá e Pireco (Gérson); Adelino, Amauri e Jair (Pedrinho); Chiquinho, Elmo, Pelau, Guerino e Sabu. Técnico: Airton Moreira

Quem jogou
Adelino, Amauri, Genivaldo e Pireco 18
Pelau e Vavá 15
Jair 14
Chiquinho 13
Sabu 11
Guerino 10
Gerson e Pedrinho 9
Elmo 8
Aires e Venâncio 7
Zezé 4
Gilberto 3
Tomaz 1

Quem marcou gols
Aires 7
Pelau 4
Chiquinho, Elmo e Jair 3
Sabu e Venâncio 2
Guerino 1

A Fórmula Siderúrgica
Clubes começam a discutir a criação de um campeonato mineiro disputado por regiões do estado. O presidente do Siderúrgica, Manoel Edson, propôs criação das zonas oeste, sertão, mata, triangulo, sul, metalúrgica e da capital (incluídos Villa e Democrata) – Diario da Tarde, 11, 12, 20/09/1957 e 24/10/1957. A proposta ficou conhecida como "fórmula siderúrgica".

Campeonato da Cidade 1956


Carlos Henrique

CAMPEONATO DA CIDADE 1956

Campanha do Cruzeiro
1º Turno
05/08 - Cruzeiro 6 x 1 Meridional (Barrancos)
12/08 - Cruzeiro 5 x 2 Asas
19/08 - Cruzeiro 1 x 0 Democrata-SL (Duarte de Paiva)
26/08 - Cruzeiro 5 x 1 América (Independência)
02/09 - Cruzeiro 4 x 0 Metalusina
16/09 - Cruzeiro 0 x 2 Atlético (Independência)
23/09 - Cruzeiro 3 x 1 Siderúrgica (Independência)
30/09 - Cruzeiro 3 x 1 Villa Nova (Independência)
07/10 - Cruzeiro 2 x 2 Sete
Decisão
14/10 - Cruzeiro 2 x 0 Atlético (Independência)
18/10 - Cruzeiro 0 x 1 Atlético (Independência)
21/10 - Cruzeiro 2 x 3 Atlético (Independência)
Classificação: 1º Cam; 2º Cruzeiro; 3º Siderúrgica; 4º Democrata; 5º Asas; 6º America e Sete; 8º Meridional; 9º Villa Nova; 10º Metalusina

2º turno
10/11 - Cruzeiro 4 x 2 Asas (Alameda)
17/11 - Cruzeiro 3 x 1 Meridional
25/11 - Cruzeiro 2 x 2 Sete (Independência)
24/03/1957 - Cruzeiro 1 x 2 Villa Nova (Bonfim)
31/03/1957 - Cruzeiro 1 x 0 Siderúrgica (Independência)
07/04/1957 - Cruzeiro 4 x 0 Metalusina (Alameda)
14/04/1957 - Cruzeiro 1 x 1 América (Independência)
21/04/1957 - Cruzeiro 3 x 1 Atlético (Independência)
28/04/1957 - Cruzeiro 2 x 0 Democrata-SL (Independência)
Classificação: 1º Cruzeiro; 2º America, Democrata e Sete; 5º Siderúrgica; 6º atletico; 7º Villa Nova; 8º Asas; 9º Meridional; 10º Metalusina

Decisão
23/05/1957 - Cruzeiro 1 x 1 Atlético (Independência)
26/05/1957 - Cruzeiro 0 x 0 Atlético (Independência)
02/06/1957 - Cruzeiro 0 x 1 Atlético (Independência)
*O atletico perdeu os pontos do segundo jogo pela escalação de Laércio em situação irregular. As equipes terminaram a decisão empatadas, mas o atletico não aceitou a perda dos pontos e negou-se a disputar uma quarta partida. Diante do impasse, o Conselho Nacional do Desporto-CND, propôs a divisão do título que foi aceita pelos clubes.

Classificação Final do Campeonato: 1º Cruzeiro e Cam (Campeões); 3º Democrata e Siderúrgica; 5º America e Sete; 7º Asas; 8º Villa Nova; 9º Meridional; 10º Metalusina
Artilheiro Máximo: Tomazinho (Cam) com 19 gols
Campeão do Campeonato de Aspirantes: Asas
Campeão do Torneio Início: Siderurgica

Fórmula de disputa:
Dois turnos distintos. Os vencedores de cada turno decidiram o título numa série decisiva. Caso uma mesma equipe vencesse os dois turnos seria campeã direta. Sem acesso e rebaixamento, pois não havia Série B.

Critérios de participação:
Clubes profissionais filiados a FMF e inscritos no Campeonato. O Sete disputou o Campeonato como agregado

Sistema 2-3-5
Genivaldo, Nozinho e Gérson (Bené); Adelino, Lazzarotti e Pireco; Raimundinho (Chiquinho), Nilo, Pelau, Guerino e Sabu. Técnicos: Artur Nequessaurt (15); Airton Moreira (9)

Quem jogou
Nilo e Pelau 24
Adelino 22
Guerino 21
Lazzarotti e Pireco 20
Nozinho 18
Genivaldo 15
Raimundinho 13
Chiquinho e Sabu 12
Bené e Gerson 10
Mussula e Vavá 8
Renê 7
Cabelinho 6
Arnaldo 5
Airton e Gilberto 2
Alagoano, Dalton, Rossi (goleiro), Salvador e Vitinho 1

Quem marcou gols
Nilo e Pelau 14
Guerino e Sabu 6
Renê 5
Chiquinho e Lazzarotti 3
Raimundinho 2
Airton e Gilberto 1

O caso Laércio
O lateral Laércio, do atletico, estava em situação irregular, e foi escalado nos dois primeiros jogos da decisão. O Cruzeiro não protelava pontos no tapetão, mas diante do descalabro promovido pela Federação Mineira para favorecer o atletico, o clube decidiu romper a tradição e entrou com um recurso pedindo os pontos do segundo jogo. O prazo para protelar os pontos do primeiro jogo, já havia passado. O TJD decidiu favoravelmente ao atletico, mas o Cruzeiro recorreu ao STJD que descascou a FMF. Para o Superior Tribunal, Laércio não possuía certificado militar, mas um documento que o convocou para uma inspeção e saúde. Este documento não o habilitava a nenhum trabalho profissional. Para o presidente da FMF, Francisco Cortes, o documento o isentava do serviço militar e lhe dava condições de trabalho (Diario da Tarde – 28/05/1957); No julgamento do STJD, por 4 votos a 2, o STJD multou o atletico e decidiu pela perda dos pontos. “A lei é quem dá a condição de jogo e não a entidade (FMF)", decidiu o Superior tribunal. (Diário da Tarde – 30/08/1957). O atletico entrou com um recurso no Conselho Nacional do Desporto-CND (Diário da Tarde – 31/08/1957).

Tradição de não recorrer ao tapetão
Em 3 de setembro de 1957, o dirigente Mario Grosso, do Cruzeiro, declarou que uma ala do clube era contrária ao quarto jogo. Comprovar que a FMF estava errada já era suficiente. Esta ala defendia que o Cruzeiro não deveria comparecer ao quarto jogo, pois o time perdeu em campo e o campeão de fato foi o adversário.

Efeito suspensivo
A FMF marcou o quarto jogo para 18 de setembro de 1957, mas o atletico entrou com um efeito suspensivo e deu entrada com o recurso no CND.

FMF reconhece a culpa
Em 30 de setembro de 1957, Armando Cordeiro, assistente da FMF, informou que o Cruzeiro obedeceu ao prazo previsto no art. 107, do código de futebol, quanto ao segundo jogo. O certificado de alistamento militar é temporário e válido dos 17 aos 20 de idade. Laércio era refratário, como atesta o documento que entrou na FMF, e a entidade não poderia lhe dar condições de jogo. Em 31 de setembro de 1957, a FMF reconheceu a situação irregular de Laércio, mas absolveu o Atlético.

Quarto jogo
O quarto jogo foi marcado para 26 de outubro de 1958 (Diario da Tarde, 10/10/1958), mas novos recursos do atletico impediram sua realização. Por causa de uma entrevista de um dirigente do atlético, que acusou os dirigentes cruzeirenses de cafajestes, o time estrelado rompeu relações esportivas com o atlético (Diário da Tarde, 28/10/1958)

Divisão do título
A CBD ameaçou punir os estados com campeonatos sub-judice excluindo-os do Campeonato Brasileiro, que começaria em 1959. Para resolver o impasse, o Conselho Nacional do Desporto-CND sugeriu que os clubes dividissem o título de 1956. Num encontro ocasional de dirigentes cruzeirenses e atleticanos, num posto de gasolina, ficou acertada a divisão do título de 1956 (Diario da Tarde, 22/03/1959). A FMF proclamou ambos campeões de 1956, em 24 de março de 1959 (Diario da Tarde, 25/03/1959).

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Campeonato da Cidade 1955

Carlos Henrique

CAMPEONATO DA CIDADE 1955

Campanha do Cruzeiro
1º Turno
03/07 - Cruzeiro 1 x 0 Metalusina (Alencar Peixoto)
10/07 - Cruzeiro 2 x 5 Villa Nova (Bonfim)
16/07 - Cruzeiro 2 x 2 Democrata-SL
24/07 - Cruzeiro 0 x 2 América (Alameda)
07/08 - Cruzeiro 1 x 2 Atlético (Independência)
21/08 - Cruzeiro 1 x 3 Siderúrgica
28/08 - Cruzeiro 1 x 3 Sete (Independência)
03/09 - Cruzeiro 5 x 1 Asas (Alameda)
Classificação: 1º Villa Nova; 2º atletico; 3º Democrata; 4º America e Siderúrgica; 6º Asas e Sete; 8º Cruzeiro; 9º Metalusina
2º turno
09/10 - Cruzeiro 3 x 3 Siderúrgica (Praia do Ó)
16/10 - Cruzeiro 2 x 3 Democrata-SL (Duarte de Paiva)
22/10 - Cruzeiro 2 x 2 Asas
30/10 - Cruzeiro 0 x 0 América (Independência)
06/11 - Cruzeiro 3 x 1 Sete
15/11 - Cruzeiro 2 x 0 Villa Nova
27/11 - Cruzeiro 2 x 2 Atlético (Independência)
09/12 - Cruzeiro 4 x 4 Metalusina
Classificação: 1º Democrata; 2º atletico; 3º America e Siderúrgica; 5º Cruzeiro; 6º Asas e Metalusina; 8º Villa Nova; 9º Sete

*classificados para o 3º turno (neutro): 1º Democrata; 2º atletico; 3º America, Siderúrgica e Villa Nova; Eliminados: 6º Cruzeiro; 7º Asas; 8º Metalusina; 9º Sete

Classificação Final do Campeonato: 1º Cam (Campeão); 2º Democrata; 3º Villa Nova; 4º America; 5º Siderúrgica; 6º Cruzeiro; 7º Asas; 8º Metalusina; 9º Sete
Artilheiro Máximo: Biguá (Democrata) com 16 gols
Campeão do Campeonato de Aspirantes: America
Campeão do Torneio Início: America
Campeão do Campeonato Amador (DFA): Comercial

Fórmula de disputa:
Três turnos distintos, sendo o último disputado pelos 5 melhores classificados na soma geral de pontos dos dois primeiros turnos. O 3º turno foi disputado na capital e em estádios neutros. Os vencedores de cada turno se classificaram para a fase final. Os finalistas se enfrentaram em turno e returno e o que somou o maior número de pontos nesta fase foi o campeão. Se um mesmo time vencesse todos os três turnos seria o campeão direto.

Critérios de participação
Clubes profissionais filiados a FMF e inscritos no Campeonato. O Sete disputou o Campeonato como agregado.

Sistema 2-3-5
Chico, Licinho e Avelino (Louro); Marambaia (Adelino), Lazzarotti e Paulo Florêncio; Raimundinho, Nilo, Aureo, Guerino e Sabu. Técnicos: Geraldo II (1), Filpo Nuñes (9), Niginho (4) e Bengala (2)

Quem jogou
Marambaia 16
Sabu 14
Raimundinho 13
Guerino 12
Chico e Paulo Florencio 11
Avelino, Lazzarotti e Licinho 10
Aureo e Louro 9
Adelino e Nilo 8
Pelau 7
Bené 6
Becão e Carioca 5
Ipojucan 4
Gasolina e Mussula 2
Catalano, Dirceu, Genuíno, Tião e Tiãozinho 1

Quem marcou mais gols
Guerino 8
Sabu 5
Nilo e Pelau 4
Aureo, Lazzarotti e Raimundinho 2
Avelino, Becão, Marambaia e Nino 1

Campeonato Brasileiro
O Congresso Brasileiro de Futebol é realizado em Belo Horizonte, entre 1 e 3 de setembro. Foi dirigido pelo presidente da Confederação Brasileira de Futebol-CBD, Silvio Pacheco, e contou com representantes de 14 federações estaduais. O objetivo do Congresso foi programar a realização de um campeonato nacional com a finalidade de se conhecer o clube campeão brasileiro. Ficou firmado que o Campeonato seria disputado anualmente. A primeira edição seria disputada somente a partir de 1959, porque o calendário trienal do futebol brasileiro (1956-1957-1958), já estava aprovado por causa da Copa do Mundo. (Estado de Minas, 05/09/1959). A diretoria da CBD aprovou o Campeonato Brasileiro de Clubes, em disputa da Taça Brasil (Diario da Tarde, de 30/12/1955).

Campeonato da Cidade 1954

Carlos Henrique

CAMPEONATO DA CIDADE 1954

Campanha do Cruzeiro

1º Turno
20/06 - Cruzeiro 3 x 2 Democrata-SL (Duarte de Paiva)
26/06 - Cruzeiro 11 x 1 Metalusina (Alameda)
04/07 - Cruzeiro 2 x 0 Villa Nova (Bonfim)
17/07 - Cruzeiro 0 x 0 Asas
25/07 - Cruzeiro 0 x 1 Atlético (Independência)
01/08 - Cruzeiro 2 x 1 América
08/08 - Cruzeiro 3 x 2 Sete (Independência)
15/08 - Cruzeiro 3 x 0 Siderúrgica (Praia do Ó)
Decisão
05/09 - Cruzeiro 0 x 1 Atlético (Independência)
12/09 - Cruzeiro 1 x 1 Atlético (Independência)
16/09 - Cruzeiro 0 x 1 Atlético (Alameda)
Classificação: 1º atlético; 2º Cruzeiro; 3º Siderúrgica; 4º Villa Nova; 5º Asas e América; 7º Democrata-SL; 8º Sete; 9º Metalusina

2º turno
09/10 - Cruzeiro 2 x 1 Democrata-SL
17/10 - Cruzeiro 4 x 4 Villa Nova
24/10 - Cruzeiro 3 x 0 Metalusina (Praia do Ó)
07/11 - Cruzeiro 5 x 2 Sete
14/11 - Cruzeiro 1 x 0 Siderúrgica
21/11 - Cruzeiro 2 x 1 América (Alameda)
27/11 - Cruzeiro 3 x 1 Asas (Alameda)
05/12 - Cruzeiro 0 x 1 Atlético (Independência)
Decisão
09/12 - Cruzeiro 1 x 2 Atlético (Alameda)
12/12 - Cruzeiro 3 x 1 Atlético (Independência)
19/12 - Cruzeiro 0 x 0 Atlético (Independência)
Classificação: 1º Cruzeiro; 2º atletico; 3º América e Siderúrgica; 5º Villa Nova; 6º Sete; 7º Asas; 8º Democrata-SL; 9º Metalusina

*Classificados para o terceiro turno (neutro): 1º atletico e Cruzeiro; 3º Siderúrgica; 4º América e Villa Nova; 6º Asas; Eliminados: 7º Sete; 8º Democrata-SL; 9º Metalusina
*as equipes do Sete e do Asas empataram em número de pontos na 6ª colocação e decidiram a vaga, em 16/01/1955. O Asas venceu por 3 a 1 e se classificou.

3º turno (neutro)
15/01/1955 - Cruzeiro 4 x 3 Villa Nova (Independência)
22/01/1955 - Cruzeiro 2 x 1 América (Independência)
30/01/1955 - Cruzeiro 1 x 0 Atlético (Alameda)
16/02/1955 - Cruzeiro 4 x 1 Siderúrgica (Independência)
27/02/1955 - Cruzeiro 2 x 1 Asas (Independência)
Classificação: 1º Cruzeiro; 2º América; 3º atlético; 4º Asas; 5º Siderúrgica; 6º Villa Nova

FASE FINAL
17/04/1955 - Cruzeiro 0 x 2 Atlético (Independência)
21/04/1955 - Cruzeiro 0 x 3 Atlético (Independência)
24/04/1955 - Cruzeiro 1 x 1 Atlético (Independência)
01/05/1955 - Cruzeiro 0 x 2 Atlético (Independência)

Classificação: 1º Cam (Campeão); 2º Cruzeiro; 3º America; 4º Siderúrgica; 5º Villa Nova e Asas; 7º Sete e Democrata; 9º Metalusina
Artilheiro Máximo: Raimundinho (Cruzeiro) com 13 gols
Campeão do Campeonato de Aspirantes: Asas
Campeão do Torneio Início: Cam
Campeão do Campeonato Amador (DFA): Montanhês

Fórmula de disputa:
Três turnos distintos, sendo o último disputado pelos 6 melhores classificados na soma geral de pontos dos dois primeiros turnos. O terceiro turno foi disputado na capital e em estádios neutros. Os vencedores de cada turno se classificaram para a fase final. O vencedor de cada turno levou 10 pontos para a fase final. Cada vitória valeu 5 pontos e cada empate 2,5 pontos nos jogos pela Fase Final. O campeão foi o finalista que somou 25 pontos. Se um mesmo time vencesse todos os três turnos seria o campeão direto.

Critérios de participação
Clubes profissionais filiados a FMF e inscritos no Campeonato. O Sete disputou o Campeonato como agregado.

Sistema 3-5-2
Chico, Avelino (Tião) e Bené; Adelino, Lazzarotti e Pampolini; Raimundinho, Paulo Florêncio, Genuíno (Aureo), Guerino, Sabu. Técnico: Niginho

Quem jogou
Raimundinho 31
Chico e Sabu 30
Adelino 29
Paulo Florêncio 28
Lazzarotti 26
Guerino 24
Bené e Pampolini 23
Genuíno 21
Aureo e Tião 17
Avelino 12
Licinho 7
Ipojucan e Marambaia 6
Dirceu 4
Ismael 3
Fuinha 2
Geraldo II e Valter 1

Quem marcou gols
Raimundinho 13
Sabu 11
Aureo e Lazzarotti 9
Genuíno 7
Guerino 5
Pampolini 3
Avelino 2
Ipojucan, Marambaia e Paulo Florêncio 1

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Campeonato da Cidade 1953

Carlos Henrique

CAMPEONATO DA CIDADE 1953

Campanha do Cruzeiro
1º Turno
19/04 - Cruzeiro 2 x 3 Meridional (Barrancos)
23/04 - Cruzeiro 2 x 3 Sete
02/05 - Cruzeiro 3 x 3 Villa Nova (Independência)
10/05 - Cruzeiro 0 x 1 América (Independência)
17/05 - Cruzeiro 1 x 2 Siderúrgica (Praia do Ó)
31/05 - Cruzeiro 1 x 1 Asas (Independência)
07/06 - Cruzeiro 5 x 2 Metalusina (Alencar Peixoto)
14/06 - Cruzeiro 1 x 0 Democrata-SL (Duarte de Paiva)
21/06 - Cruzeiro 0 x 5 Atlético (Lourdes)
Classificação: 1º Cam; 2º Villa Nova; 3º Siderurgica; 4º Sete; 5º America e Meridional; 7º Asas e Cruzeiro; 9º Metalusina; 10º Democrata
2º turno
09/08 - Cruzeiro 5 x 3 Meridional (Alameda)
16/08 - Cruzeiro 1 x 1 América (Independência)
30/08 - Cruzeiro 2 x 2 Atlético
17/09 - Cruzeiro 3 x 2 Democrata-SL
27/09 - Cruzeiro 0 x 1 Sete (Independência)
04/10 - Cruzeiro 1 x 2 Siderúrgica
11/10 - Cruzeiro 2 x 1 Asas (Alameda)
18/10 - Cruzeiro 2 x 4 Villa Nova (Bonfim)
01/11 - Cruzeiro 6 x 2 Metalusina
Classificação: 1º Villa Nova; 2º atletico; 3º Siderúrgica; 4º Cruzeiro; 5º Asas; 6º Sete; 7º Democrata; 8º Metalusina; 9º America; 10º Meridional

Classificação: 1º Cam (Campeão); 2º Villa Nova; 3º Siderúrgica; 4º Sete; 5º Cruzeiro; 6º America e Asas; 8º Meridional; 9º Metalusina; 10º Democrata
Artilheiro Máximo: Escurinho (Villa Nova) com 17 gols
Campeão do Campeonato de Aspirantes: Cam
Campeão do Torneio Início: Villa Nova
Campeão do Campeonato Amador (DFA): Monte Castelo

Fórmula de disputa:
Dois turnos distintos. Os vencedores de cada turno decidiam o título numa série decisiva de três jogos. Caso uma mesma equipe vencesse os dois turnos seria campeã. Sem acesso e rebaixamento, pois não havia Série B.

Critérios de participação:
Clubes profissionais filiados a FMF e inscritos no Campeonato. O Sete disputou o Campeonato como agregado

Sistema 3-5-2
Bernard, Adelino e Avelino; Licinho, Dirceu (Lazzarotti) e Bené; Raimundinho, Barra Mansa, Abelardo (Áureo), Lésio e Sabu. Técnicos: Ricardo Diez (1º turno); Colombo (6), Geraldo II (2) e Niginho (1)

Quem jogou:
Raimundinho 17
Bené 15
Sabu 14
Avelino e Bernard 13
Adelino 12
Lésio 10
Abelardo, Dirceu e Lazzarotti 9
Áureo, Licinho e Mussi 8
Barra Mansa, Edinho e Tião 7
Valter 5
Geraldo II 4
Fuca, Guerino, Ildeu, Ismael e Pampolini 3
Helton e Torres 2
Ari, Pauzinho, Tobias e Wilson 1

Quem marcou gols:
Raimundinho 12
Áureo e Lazzarotti 5
Abelardo 4
Lésio 3
Avelino, Ildeu e Sabu 2
Barra Mansa e Fuca 1

Era Independência
Após um acordo com o Sete de Setembro FC, quanto a percentagem das rendas, o Cruzeiro passou a mandar alguns jogos no estádio Independência.

Democrata no Campeonato
A inscrição do Democrata, de Sete Lagoas, foi aceita pelo conselho divisional para a disputa do Campeonato. Pela primeira vez, o Campeonato passou a ter a maioria de equipes do interior. O Democrata era filiado desde 1917, mas durante todo este período, disputou apenas as disputas das Ligas que eram formadas na região de Sete Lagoas. Assim que aderiu ao profissionalismo, pediu sua criação na "divisão extra" de profissionais.

Projeto Mineirão
A necessidade da construção de um estádio estadual para o desenvolvimento do futebol mineiro voltou a ser debatida por dirigentes e políticos (Estado de Minas, 24/01/1953)