domingo, 24 de maio de 2009

A histórica diferença de tratamento


O arbitro Wilson Souza Mendonça sai de campo escoltado pela policia sob os gritos de "ladrão" vindo das arquibancadas do Mineirão

Infelizmente, a imprensa esportiva acusou o treinador do Cruzeiro, Ênio Andrade, de ter premeditado o fim da partida realizando as três substituições e instruir os jogadores a provocar um cartão vermelho ou simular uma contusão para que a partida não prosseguisse.

Curiosamente, ninguém acusa o treinador Procópio de ter orientado os jogadores do Atlético, quando passaram a provocar expulsões e simular contusões, como o próprio goleiro João Leite, admitiu, na partida contra o Flamengo, pela Taça Libertadores de 1981, no Serra Dourada. O jogo foi encerrado, após o Atlético ficar com o número insuficiente de jogadores em campo, como o Cruzeiro em 1995. No entanto, o árbitro daquela partida José Roberto Wright é acusado até hoje pelos acontecimentos, mas Wilson de Souza Mendonça é poupado pela palhaçada que cometeu no Mineirão.

A partir deste jogo, o público futebolista brasileiro ainda iria se estarrecer com outras aberrações do árbitro Wilson de Souza Mendonça, que infelizmente ainda atua na arbitragem cometendo suas maluquices como a marcação de pênaltis fora da área, pênaltis com jogador que cai na área sem ninguém por perto, gols quando a bola não entra e etc. O Cruzeiro foi a primeira vitima de suas aberrações.

Postar um comentário