quinta-feira, 23 de junho de 2011

Gol de Orlando no goleiro calça frouxa

O atacante Orlando Fantoni era um artilheiro nato e contam que a sua cabeçada na bola parecia um chute! E ele tinha sorte também. Numa partida entre a Seleção Mineira e a Seleção do Espírito Santo, no extinto estádio da Alameda, em 8 de novembro de 1942, ele marcou um gol inusitado. A partida seguia empatada sem gols, quando o goleiro capixaba Dias fez uma defesa firme, após um chute do atacante Tião. Na sequência, ele se viu obrigado a soltar a bola para segurar seu calção que estava caindo. A bola escorreu em suas pernas e caiu no chão. Orlando aproveitou-se do descuido do goleiro e mandou a bola pro gol. A Seleção Mineira venceu o time do goleiro calça frouxa por 4 a 2. Orlando foi o único jogador cruzeirense que participou daquele jogo da Seleção.

O Cruzeiro enfrentou o Atlético, pela última rodada do Campeonato Mineiro de 1970, no dia 20 de setembro, no Mineirão. A partida seria apenas para cumprir tabela, pois o Galo já era o campeão antecipado. E seria uma festa particular da torcida atleticana, se não fosse o presidente Felício Brandi que, durante a semana, apresentou o zagueiro Brito, como a nova contratação. Ele veio do Flamengo e havia acabado de conquistar o tricampeonato mundial pela Seleção Brasileira, no México, junto com Tostão, Piazza e Fontana. O zagueirão foi escalado para o clássico, mesmo sem estar inscrito no Estadual e, devido a isso, o Cruzeiro entrou em campo com os pontos perdidos. O clássico terminou empatado em 1 a 1. Dario marcou para o Atlético e Zé Carlos fez o gol do empate. A torcida cruzeirense foi em peso e a estréia do becão tricampeão mundial roubou a cena da festa do título estadual dos rivais.

E a Federação Mineira também colaborou para estragar a festa atleticana. É que a entidade entregou com atraso os troféus de Campeão Mineiro de 1968 e 1969 ao Cruzeiro, que recebeu os canecos e fez a festa! Para o Galo, a entidade só entregou as taças de vice-Campeão de 1968 e 1969, mas nada de entregar o troféu de campeão mineiro de 1970, que era o que valia!

O lateral esquerdo Ademar, do time júnior do Cruzeiro, foi o primeiro jogador brasileiro a atuar no futebol japonês. Em 1975 ele saiu do clube e foi para aquele país, após ganhar uma bolsa de estudos num curso de computação em Tóquio. Lá ele acabou ingressando no time do Fujita Kogyo. Era chamado de Marinho, seu sobrenome, e passou a jogar como armador. Foi destaque do Campeonato Nacional e vice-artilheiro do Campeonato de 1977. No ano seguinte levantou o título pelo Fujita. No Cruzeiro, quando ainda tinha 16 anos, foi campeão mineiro júnior de 1971, no time que tinha o ponta esquerda Joãozinho e o goleiro Vítor.

O primeiro jogo que o  Cruzeiro disputou na Europa foi no dia 9 de agosto de 1975. Foi a estréia do time no troféu Teresa Herrera. Um torneio beneficente disputado desde 1946, em La corunã, na Espanha, em homenagem a enfermeira Teresa Herrera que dedicou a vida aos pobres e por isso a renda dos jogos era revertida a entidades assistenciais. E por estar no velho continente, o Cruzeiro teve como o seu primeiro adversário, o time mais velho do mundo, o Stoke City, da Inglaterra, fundado em 1872. Apesar da experiência, os ingleses não suportaram a qualidade técnica brasileira e o Cruzeiro goleou por 3 a 0. O mais curioso é que os três gols foram marcados pelo lateral direito Nelinho, sendo dois em cobranças de pênalti e um de falta.
Postar um comentário