quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Cruzeiro e Bahia tem muitos recordes e curiosidades no Campeonato Brasileiro

O atacante Fábio Júnior entre dois defensores do Bahia, numa partida válida pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro de 2002, no Mineirão. Este jogo ficou marcado por um boicote organizado pelo Conselho das torcidas organizadas em protesto contra a má campanha do time, que não havia vencido ainda na competição. Com dois gols do zagueiro Cris, o Cruzeiro bateu o Bahia por 2 a 1, diante de apenas 5.515 pagantes e iniciou a reação na competição.

O Bahia é o adversário mais presente nos recordes estabelecidos pelo Cruzeiro no Campeonato Brasileiro. Hoje a noite as equipes voltam a se enfrentar na competição, após sete anos, desde a impiedosa goleada cruzeirense por 7 a 0, no dia 14 de dezembro de 2003, na Fonte Nova, que representou a queda dos baianos para a segunda divisão.

O duelo teve início no Campeonato Brasileiro em 1968, pela primeira fase, em 22 de setembro, no Mineirão, que terminou com a vitória estrelada por 1 a 0, com gol marcado pelo ponta esquerda Rodrigues.

A partir de 1993, o confronto passou a fazer parte da galeria de recordes cruzeirenses na competição. No returno da primeira fase, em 5 de novembro, o Cruzeiro goleou o Bahia por 6 a 0 e igualou as maiores goleadas do time estrelado no Brasileiro (6 a 0 sobre a Ponte Preta, em 21 de novembro de 1970; Ceará, em 29 de agosto de 1971 e Uberlândia, em 6 de abril de 1978, todas elas no Mineirão).

Além do resultado elástico, o jovem atacante Ronaldo Fenômeno marcou cinco gols e se transformou no maior artilheiro do Cruzeiro em uma só partida na competição.

Outro atacante cruzeirense entraria para a história no confronto contra o Bahia. No turno do Campeonato Brasileiro de 2003, em 27 de julho, no Mineirão, o Cruzeiro goleou o tricolor por 5 a 2. O colombiano Aristizabal marcou três vezes e igualou a marca de 21 gols do uruguaio Revetria. Na partida seguinte, ele voltaria a marcar no empate em 2 a 2 contra o Fluminense e se tornaria o maior artilheiro estrangeiro da história do clube.

No returno de 2003, na última rodada, aconteceu o confronto mais marcante entre as equipes pelo Brasileiro. O Cruzeiro já havia garantido o título com duas rodadas de antecedência, mas o treinador Luxemburgo exigiu uma vitória para a equipe terminar a disputa com 100 pontos na tabela. O Bahia precisava vencer e torcer por uma combinação de resultados na rodada para se livrar do rebaixamento.

O Cruzeiro não tomou conhecimento do desespero baiano, goleou por 7 a 0 e estabeleceu vários recordes particulares na competição, como a maior goleada, o maior número de pontos ganhos (100), o maior número de vitórias (31), o maior número de gols marcados (102) e a maior sequência de rodadas na liderança (18). O recorde de gols marcados foi quebrado pelo Santos em 2004 e o de rodadas consecutivas na liderança pelo São Paulo em 2006, já o de pontos e de vitórias são ainda as maiores marcas de uma equipe na história da competição.

O destaque da goleada foi o meiocampista Alex. O camisa 10 cruzeirense marcou cinco gols na partida e se igualou ao recordista anterior, o atacante Ronaldo. No entanto, ele marcou quatro gols de pênalti. Um fato inédito em toda a trajetória do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro. Alex também chegou aos 23 gols e se transformou no jogador do Clube que mais vezes marcou numa mesma edição do Brasileiro.

O encontro Cruzeiro e Bahia é também marcado por outras curiosidades históricas. Um empate sem gols no dia 5 de outubro de 1986, pela primeira fase, poderia passar despercebido se não tivesse a presença em campo do maior ídolo da história do Galo com a camisa do Cruzeiro. Foi contra o Bahia que o atacante Reinaldo encerrou sua passagem meteórica pelo time estrelado. Ele havia sido contratado há poucas semanas e foi escalado "para sair na foto", como ele próprio admitiu anos mais tarde, pois havia assinado um contrato de apenas quatro meses e necessitava de mais tempo para recuperar a forma, já que ele praticamente não havia jogado no time do Rio Negro-AM naquele ano. O ex-ídolo rival havia feito a estréia uma semana antes no empate sem gols contra o Rio Branco-ES, no Mineirão.

Foi num outro empate sem gols, pela primeira fase, em 19 de setembro de 1971, no Mineirão, que pela primeira vez os auxiliares de arbitragem utilizaram bandeiras coloridas. Maurílio José Santiago estreou a de cor vermelho e Sílvio Gonçalves Davi a amarela. E foi a partir da sétima rodada da primeira fase do Brasileiro de 1973, que começou a valer a suspensão automática para os jogadores que somassem três cartões amarelos e um dos confrontos era Cruzeiro e Bahia, no Mineirão, que terminou com a vitória estrelada por 1 a 0, com gol de Roberto Batata.

Outro fato inusitado no confronto envolveu o presidente do Conselho do Bahia, Osório Vilas Boas. As equipes se enfrentaram em 30 de março de 1980, na Fonte Nova, e o dirigente fez uma proposta indecente a diretoria cruzeirense. Com o objetivo de facilitar a vida do seu time, ele ofereceu a renda da partida para que o Cruzeiro não escalasse o lateral direito Nelinho e o ponta esquerda Joãozinho. O Cruzeiro recusou e a oferta parece ter mexido com os brios dos baianos que golearam por 3 a 0, com dois gols de Osni e um de Douglas.


 CAMPEONATO BRASILEIRO
8 - 22/9/1968 - Cruzeiro 1 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
9 - 15/10/1969 - Bahia 2 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
10 - 25/11/1970 - Cruzeiro 1 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Batistão (Aracaju, SE)
12 - 19/9/1971 - Empate 0 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
14 - 24/9/1972 - Cruzeiro 1 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
16 - 15/9/1973 - Cruzeiro 1 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
17 - 17/7/1974 - Cruzeiro 1 x 0
Campeonato Brasileiro (Fase Semifinal) - Fonte Nova (Salvador, BA)
19 - 12/2/1978 - Empate 2 x 2
Campeonato Brasileiro (3ª fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
20 - 16/7/1978 - Bahia 1 x 0
Campeonato Brasileiro (3ª fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
21 - 25/10/1979 - Cruzeiro 5 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
22 - 30/3/1980 - Bahia 3 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
23 - 24/1/1982 - Cruzeiro 2 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
24 - 3/2/1982 - Bahia 3 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
26 - 5/10/1986 - Empate 0 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
27 - 26/10/1986 - Bahia 1 x 0
Campeonato Brasileiro (2ª fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
28 - 14/12/1986 - Cruzeiro 2 x 1
Campeonato Brasileiro (2ª fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
29 - 23/9/1987 - Cruzeiro 2 x 1
Campeonato Brasileiro (1º turno) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
30 - 13/11/1988 - Bahia 2 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª fase/2º turno) - Fonte Nova (Salvador, BA)
33 - 17/9/1989 - Cruzeiro 2 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
34 - 22/9/1990 - Empate 0 x 0
Campeonato Brasileiro (1º turno) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
35 - 21/4/1991 - Bahia 1 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Independência (Belo Horizonte, MG)
36 - 3/5/1992 - Empate 1 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
37 - 12/9/1993 - Cruzeiro 3 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
38 - 5/11/1993 - Cruzeiro 6 x 0
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
39 - 28/8/1994 - Bahia 2 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
40 - 4/9/1994 - Cruzeiro 2 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
43 - 3/12/1995 - Cruzeiro 5 x 0
Campeonato Brasileiro (2º turno) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
44 - 14/9/1996 - Cruzeiro 2 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
45 - 31/8/1997 - Cruzeiro 3 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
46 - 23/8/2000 - Cruzeiro 3 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Fonte Nova (Salvador, BA)
47 - 30/8/2001 - Empate 1 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Independência (Belo Horizonte, MG)
48 - 25/8/2002 - Cruzeiro 2 x 1
Campeonato Brasileiro (1ª Fase) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
49 - 27/7/2003 - Cruzeiro 5 x 2
Campeonato Brasileiro (Turno) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
50 - 14/12/2003 - Cruzeiro 7 x 0
Campeonato Brasileiro (Returno) - Fonte Nova (Salvador, BA)
51 - 17/7/2011 - Cruzeiro 2 x 0
Campeonato Brasileiro (Turno) - Arena do Jacaré (Sete Lagoas, MG)
                                                                                                                                                                                           
COPA DO BRASIL
31 - 26/7/1989 - Cruzeiro 1 x 0
Copa do Brasil (Oitavas de final) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
32 - 29/7/1989 - Bahia 2 x 0
Copa do Brasil (Oitavas de final) - Jóia da Princesa (Feira de Santana, BA)
41 - 21/4/1995 - Cruzeiro 1 x 0
Copa do Brasil (Oitavas de final) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
42 - 28/4/1995 - Bahia 2 x 1
Copa do Brasil (Oitavas de final) - Pituaçu (Salvador, BA)                                            

AMISTOSOS
1 - 28/7/1946 -  Empate 2 x 2
Amistoso - Graça (Salvador, BA)
2 - 3/6/1958 - Bahia 2 x 1
Amistoso - Fonte Nova (Salvador, BA)
3 - 12/5/1959 -  Bahia 1 x 0
Amistoso - Fonte Nova (Salvador, BA)
4 - 20/5/1959 -  Bahia 1 x 0
Amistoso - Fonte Nova (Salvador, BA)
5 - 11/6/1962 -  Empate 0 x 0
Amistoso - Fonte Nova (Salvador, BA)
6 - 14/2/1968 -  Cruzeiro 2 x 0
Amistoso - Fonte Nova (Salvador, BA)
7 - 16/2/1968 -  Cruzeiro 3 x 2
Amistoso - Fonte Nova (Salvador, BA)
11 - 7/4/1971 -  Cruzeiro 1 x 0
Amistoso (Torneio do Governador/decisão) - Fonte Nova (Salvador, BA)
13 - 12/12/1971 - Cruzeiro 2 x 1
Amistoso - Fonte Nova (Salvador, BA)
15 - 29/7/1973 - Empate 1 x 1
Amistoso - Luiz Viana Filho (Itabuna, MG)
18 - 6/4/1976 -  Empate 1 x 1
Amistoso - Fonte Nova (Salvador, BA)
25 - 15/5/1984 - Empate 2 x 2
Amistoso (Torneio Heleno Nunes/cancelado) - Fonte Nova (Salvador, BA)

twitter: @henriqueribe
Postar um comentário