terça-feira, 20 de março de 2012

Supercampeão Mineiro! Um título exclusivo do Cruzeiro está próximo de completar 10 anos

Por Henrique Ribeiro

Há quase 10 anos o confronto entre Cruzeiro e Caldense, que se repetiu neste domingo (18), pela 7ª rodada do Estadual, decidiu o inédito Supercampeonato Mineiro. O torneio foi disputado uma única vez em 2002 e o time de Poços de Caldas foi a grande surpresa, quando chegou a sentir o gosto do título até os últimos minutos da rodada final, quando foi goleado pelo Cruzeiro por 4 a 0 e perdeu o caneco no saldo de gols.

O Supercampeonato Mineiro reuniu cinco clubes e foi disputado em turno único, seguindo a fórmula dos pontos corridos. Apesar de curto, o torneio foi o mais empolgante dos últimos tempos e chegou a sua última rodada com três candidatos ao título.

Apesar do nome pomposo, o Supercampeonato teve uma baixa presença de público. Um dos motivos foram os desfalques de Atlético e Cruzeiro. Pelo lado azul, o lateral esquerdo Sorín foi negociado ao Lazio, da Itália, e o atacante Edilson Capetinha, que era o artilheiro do time, foi convocado para a Seleção Brasileira para a disputa da Copa do Mundo.

O Galo, que também teve que ceder o volante Gilberto Silva para a disputa da Copa, ainda teve a baixa do volante Bruno, do zagueiro Marcelo Djian e do atacante Wellington Amorim, que não concordaram com a proposta de redução de salários oferecida pela diretoria do clube.

O América começou a disputa como líder, após golear o Mamoré por 4 a 1, mas o destaque da primeira rodada foi a goleada surpreendente da Caldense sobre o Atlético, por 4 a 2. Os resultados provocaram as quedas dos treinadores Jair Bala, no time de Patos, e Levir Culpi, no Galo.

Na segunda rodada, o América venceu o Cruzeiro por 1 a 0 e surgiu como candidato ao título. Como previa o seu presidente Wagner Pereira, o Mamoré poderia dar trabalho se a competição também tivesse as partidas disputadas em Patos de Minas. Com isso, o “Sapo” foi o primeiro a se despedir do torneio, após a derrota por 2 a 0 para o Galo.

A Caldense, que não se queixou de nada e se reforçou com cinco contratações para a disputa, pregou outra peça e derrotou o América por 1 a 0. Ambos passaram então a dividir a liderança, com seis pontos cada. A terceira rodada encerrou com a vitória do Cruzeiro por 2 a 1 sobre o Mamoré.

Na penúltima rodada, a Caldense goleou o time de Patos por 3 a 0 e se isolou na liderança. Já o Cruzeiro entrou na briga pelo título ao eliminar o Atlético, com uma vitória por 1 a 0, com um gol do atacante Alessandro no último minuto do clássico.

A rodada final chegou com três candidatos diretos ao título. A Caldense, líder com nove pontos, superava os vice-líderes, América e Cruzeiro, com seis cada, também nos critérios de desempate que eram, pela ordem, o número de vitórias e o saldo de gols. O América desfalcado do goleiro Fabiano, machucado, e do zagueiro Max e do meia Tucho, suspensos, empatou em 2 a 2 com o desfigurado Atlético, que não teve Rodrigo, Djair, Erlon, Rubens Júnior e Marques, todos contundidos.

Assim, o jogo de fundo da rodada dupla, que teve o maior público do torneio, com 10 mil presentes, se transformou na decisão do título. A Caldense poderia até perder por uma diferença de dois gols para o Cruzeiro que ainda assim levaria o Supercampeonato para o Sul de Minas. O Cruzeiro procurou o gol desde o início da partida, enquanto a Veterana jogou pelo regulamento para ficar com o título. E aos 30 minutos, o atacante Lúcio, que não vinha justificando a sua contratação, abriu o placar.

No segundo tempo, o drama do Cruzeiro aumentou quando o volante Augusto Recife levou o cartão vermelho, mas mesmo com um jogador a menos, o time estrelado chegou ao segundo gol, aos 20 minutos, com um gol do meia Wendel. Três minutos depois, quando o treinador Valter Ferreira trocou o atacante Carioca pelo volante Mancuso para segurar o resultado, que ainda dava o título à Veterana, o Cruzeiro marcou o terceiro gol, que seria o do título, com Joãozinho.

Aí o desespero mudou de lado e a Caldense buscou o gol que lhe daria o título, mas o Cruzeiro, impulsionado pela sua torcida, ainda chegou ao quarto gol com Alessandro, no último minuto, que confirmou a conquista. Apesar de rejeitado pela torcida que não o prestigiou, o Supercampeonato Mineiro acabou reconhecido pelo seu desfecho histórico e dramático, digno das competições mais atrativas.

Foto: Carlos Roberto/Hoje em Dia
O zagueiro Luisão em disputa de bola na partida contra a Caldensea
UMA POLÊMICA DE QUASE 10 ANOS

Por Henrique Ribeiro

Uma polêmica está perto de completar 10 anos. Quem foio autêntico campeão mineiro de 2002. Nesta briga estão o Supercampeão Mineiro Cruzeiro e a Caldense, que venceu o Módulo I do Campeonato Mineiro tradicional, mas só com a participação de clubes do interior. Os defensores do Cruzeiro alegam que, além do aspecto técnico, o campeão mineiro reconhecido pela Federação Mineira não passou de uma fase classificatória. Assim, o título mineiro, na verdade, esteve em disputa somente no Supercampeonato.

Este último argumento se ampara no calendário quadrienal elaborado pela Confederação Brasileira de Futebol, Clube dos Treze e Ministério dos Esportes, que determinava que os clubes que estivessem disputando os torneios interestaduais entrariam somente na segunda fase dos estaduais, quando se juntariam às equipes classificadas na primeira fase.

Devido a isso, a discussão ainda continua em alguns estados, onde dois clubes são considerados campeões estaduais em 2002. No Paraná, o Atlético-PR foi campeão do Super e o Iraty, vencedor do Campeonato. Em São Paulo, o tricolor paulista foi campeão do Super e o Ituano, campeão do Paulistão. Nos dois casos, ambos são considerados campeões do mesmo ano, pois as federaçõps através de seus sites das duas federações não se pronuciam e sequer apresentam uma relação de campeões.

No Rio de Janeiro, segundo a Federação Estadual, o Fluminense, que venceu a segunda fase, é o campeão estadual. O Americano, mesmo tendo vencido a Taça Guanabara e a Taça Rio, que sempre representaram os dois turnos do Campeonato Carioca, se contenta apenas com os dois troféus.

No Rio Grande do Sul, o Internacional foi o campeão de 2002, mas a primeira fase, disputada pelos times do interior, foi dividida em dois turnos distintos e não houve disputa pelo título. O calendário quadrienal do futebol brasileiro prevalece desde 1999. Desde então, a primeira fase do Campeonato Mineiro foi disputada apenas pelas equipes que não participaram dos interestaduais. Em 1999 e 2000, a URT venceu as duas primeiras fases e ganhou uma vaga para a Copa do Brasil, além do título da Taça Minas Gerais. Em ambas as edições, os quatro primeiros colocados da primeira fase se juntaram aos quatro times que participaram dos interestaduais e o título máximo foi colocado em disputa na segunda fase.

O chefe do Departamento de Futebol da Federação Mineira, Edmar Francisco Pires, esclarece que em 2002 as duas competições foram distintas e a caldense foi a campeã mineira de 2002. A explicação está, segundo ele, no artigo 5 do paragrafo IV do regulamento do Campeonato Mineiro: "A associação primeira colocada por pontos ganhos será proclamada campeã do módulo I da primeira divisão de profissionais".

Já o regulamento do Supercampeonato Mineiro diz em seu artigo 4 do paragrafo III que "a associação primeira colocada por pontos ganhos será proclamada campeã do supercampeonato mineiro"

Foto: Carlos Roberto/Hoje em Dia
A Caldense como campeã do módulo I conquistou o direito
de disputar o Supercampeonato Mineiro com os quatro
clubes participantes da Copa Sul Minas, que haviam sido os
quatro primeiros colocados do Estadual de 2001.
FICHAS TÉCNICAS DAS PARTIDAS

MAMORÉ 1 X 4 AMÉRICA
16/05/2002 (Qui-19h) - Supercampeonato Mineiro (turno único/1ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 2.750 (R$ 12.707,)
Arbitro: Clever Assunção Gonçalves
Auxiliares: Edgar Sales Abreu e Pedro Alcântara Campos
Gols: Tucho 4', Renaldo 14' e 36', Fahel-contra 42', Lenilson 90'+1'
América: Fabiano; Max, Nem e Fahel (Lenilson); Édson, Alexandre Silva, Claudinei (Victor), Tucho e Michael (Claudinho); Rinaldo e Renaldo. T: Jair Pereira
Mamoré: Caetano; Marcos Teixeira, Márcio (Richard), Henrique e Léo Oliveira; Paulinho (Robson), Rolete, Charles (André) e Pael; Reinaldo e Edmilson. T: Jair Bala
CA: Tucho, Victor, Max (Ame); Márcio, Rolete, Charles, Henrique (Mam)
*Jair Bala foi dispensado após a derrota

ATLÉTICO 2 X 4 CALDENSE
16/05/2002 (Qui-21h) - Supercampeonato Mineiro (turno único/1ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 2.750 (R$ 12.707,)
Arbitro: Alício Pena Junior
Auxiliares: Márcio Eustáquio Santiago e Antônio Oliveira Neto
Gols: Rodrigo 8', Gustavinho 16', Nenê 46', Gustavinho 49', Marques 64', Nenê 81'
Atlético: Milagres; Mancini, Gutierrez, Edgar e Rubens Júnior (Michel); Erlon, Djair, Bosco (Kim/31') e Rodrigo (Baiano/65'); Guilherme e Marques. T: Levir Culpi
Caldense: Gilberto; Édson, Nelson, Paulista e Márcio Alemão (Mancuso); Ramos, Nenê, Clayton e Cláudio (Adriano); Carioca (Vagner) e Gustavinho. T: Valter Ferreira
CA: Guilherme, Marques, Gutierrez (Atl); Ramos, Marcio Alemão, Claudio, Edson, Adriano, Mancuso, Paulista (Cal)
*Levir Culpi entregou o cargo após a derrota. Público presente de 3.469.

AMÉRICA 1 X 0 CRUZEIRO
19/05/2002 (Dom-16h) - Supercampeonato Mineiro (turno único/2ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 4.607 (R$ 21.182,)
Árbitro: Wágner Tardelli (RJ)
Auxiliares: Manoel Couto Pires (RJ) e Carlos Lima (RJ)
Gol: Tucho 15’
América: Fabiano; Édson, Max, Nêm (Célio Lúcio) e Michael; Fahel, Alexandre Silva, Victor e Tucho; Rinaldo (Edmundo) e Renaldo (Ricardo). T: Jair Pereira
Cruzeiro: Jefferson; Luisão (Jorge Wagner), Marcelo Batatais e Cris; Maicon (Ruy), Ricardinho, Vander, Jussiê e Jorginho Paulista; Fábio Júnior e Lúcio (Leonardo). T: Marco Aurélio
CA: Fahel, Tucho (Ame); Luisão, Ricardinho, Jussiê, Vander (Cru)

MAMORÉ 0 X 2 ATLÉTICO
19/05/2002 (Dom-18h) - Supercampeonato Mineiro (turno único/2ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 4.607 (R$ 20.182,)
Árbitro: Luis Carlos Silva
Auxiliares: Rodrigo Otavio Baeta e Guilherme Dias Camilo
Gols: Mancini 20' e 29'
Mamoré: Caetano; Robson, Henrique, Léo Oliveira e Ricardinho (André); Rolete, Charles, Paulinho (Joelson) e Pael (Richard); Edilson e Edmilson. T: Valdemar Privatti
Atlético: Milagres; Mancini, Gutierrez (Enrico), Edgar e Michel (Baiano); Erlon, Genalvo, Djair e Everton Maradona (Paulinho); Guilherme e Marques. T: Marcelo Oliveira
CA: Léo Oliveira, Gutierrez, Michel, Erlon
*Marcelo Oliveira estreou como técnico interino

AMÉRICA 0 X 1 CALDENSE
22/05/2002 (Qua-19h30) - Supercampeonato Mineiro (turno único/3ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 1.535 (R$ 6.362,)
Arbitro: Alício Pena Junior
Auxiliares: Marco Antônio Martins e João Paranhos Leão
Gol: Nelson 24'
América: Fabiano; Max, Nem e Fahel (Lenilson/46'); Édson, Victor, Alexandre Silva, Tucho e Michael (Célio Lúcio); Rinaldo (Edmundo/46') e Renaldo. T: Jair Pereira
Caldense: Gilberto; Édson (Gedeon), Nelson, Paulista e Márcio Alemão; Ramos, Cláudio, Clayton e Nenê; Carioca (Mancuso) e Gustavinho (Adriano). T: Valter Ferreira
CA: Max, victor, Tucho (Ame); Paulista, Cláudio, Gustavinho, Ramos (Cal)
CV: Max/60', Tucho (Ame); Paulista (Cal)

CRUZEIRO 2 x 1 MAMORÉ
22/05/2002 (Qua-21h40) - Supercampeonato Mineiro (turno único/3ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 1.535 (R$ 6.362,)
Árbitro: Antônio William Gomes
Auxiliares: Helbert Andrade e Osmar Dias Camilo
Gols: Fábio Júnior 25’, Edmilson (falta) 51’, Alessandro 65’
Cruzeiro: Jefferson; Ruy, Luisão, Cris e Jorginho Paulista (Wendel); Recife, Vander e Jorge Wagner; Jussiê, Fábio Júnior (Alessandro) e Lúcio (Joãozinho). T: Marco Aurélio
Mamoré: Caetano; Robson, Henrique, Léo Oliveira, Ricardinho (André), Paulinho (Joelson), Charles, Rolete, Richard, Edílson (Reinaldo), Edmilson. T: Valdemar Privatti
CA: Wendel (Cru); Henrique, Léo Oliveira, Rolete (Mam)
*Cruzeiro jogou desfalcado de Ricardinho contundido. Mamoré jogou desfalcado do meia Pael, contundido, e promoveu a estreia do treinador Valdemar Privatti

CALDENSE 3 x 0 MAMORÉ
26/05/2002 (14h) - Supercampeonato Mineiro (turno único/4ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 5.252 (R$ 24.010,)
Arbitro: Alício Pena Junior
Auxiliares: Helbert Costa Andrade e Osmar Dias Camilo
Gols: Gedeon 67', Adriano 79', Carioca 87'
Mamoré: Caetano; Robson, Rodrigão, Henrique e Andrezinho (Ricardinho); Rolete, Joelson (Adauto), Charles e Richard; Edilson (Reinaldo) e Edmilson. T: Valdemar Privatti
Caldense: Gilberto; Édson (Gedeon), Nelson, Adriano e Márcio Alemão; Ramos, Nenê, Cláudio (Mancuso) e Clayton; Carioca e Gustavinho (Joelson). T: Valter Ferreira
*Caldense jogou desfalcado do zagueiro Adriano, contundido.

CRUZEIRO 1 x 0 ATLÉTICO
26/05/2002 (Dom-16h) - Supercampeonato Mineiro (turno único/4ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 5.252 (R$ 24.010,)
Árbitro: Paulo César Oliveira (SP)
Auxiliares: Marinaldo Silvério (SP) e Carlos Pianosqui (SP)
Gol: Alessandro 89’
Cruzeiro: Jefferson; Maicon, Luisão, Cris e Jorge Wagner (Wendel); Recife, Ricardinho e Vander (Ruy); Jussiê (Lúcio), Joãozinho e Alessandro. T: Marco Aurélio
Atlético: Milagres; Mancini, Gutierrez, Edgar e Bosco (Alex); Erlon, Genalvo, Djair e Ewerton Maradona (Paulinho); Guilherme e Marques (Júlio César). T: Marcelo Oliveira
CA: Maicon, Jorge Wagner, Vander (Cru); Guilherme, Mancine (Atl)

ATLÉTICO 2 X 2 AMERICA
30/05/2002 (Qui-14h) - Supercampeonato Mineiro (turno único/5ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 5.962 (R$ 28.183,)
Árbitro: Edilson Pereira Carvalho (SP)
Auxiliares: Wagner Silano Silva (SP) e Wiliam Valdemir Zaccari (SP)
Gols: Alex 22', Renaldo 68', Edmundo 80', Julio Cesar 88'
Atlético: Milagres; Baiano, Gutierrez, Edgar e Michel (Bosco); Alex, Genalvo, Mancini e Everton Maradona; Guilherme (Julio Cesar) e Kim (Gil). T: Marcelo Oliveira
América: Laílson; Célio Lúcio, Douglas (Edmundo) e Nem; Édson, Claudinei, Victor (Ramón), Reinaldo e Claudinho (Bruno); Rinaldo e Renaldo. T: Jair Pereira
CA: Claudinei, Kim, Guilherme, Nem, Douglas
*América jogou desfalcado de Fabiano, contundido, Max e Tucho, suspensos e promoveu a estreia de Reinaldo. Atlético jogou desfalcado de Rodrigo, Djair, Erlon, Rubens Junior e Marques, todos por contusão.


CALDENSE 0 x 4 CRUZEIRO
30/05/2002 (Qui-16h) - Supercampeonato Mineiro (turno único/5ª) - Mineirão (Belo Horizonte, MG)
Público: 5.962 (R$ 28.183,)
Árbitro: Luiz Carlos Silva
Auxiliares: Marco Antônio Martins e Rodrigo Baeta
Gols: Lúcio 30’, Wendel 65’, Joãozinho 68’, Alessandro 89’
Caldense: Gilberto, Edson (Gedeon), Nélson, Adriano, Márcio Alemão (Joílson), Ramos, Cláudio, Nenê Miranda, Clayton, Carioca (Mancuso), Gustavinho. T: Valter Ferreira
Cruzeiro: Jefferson, Maicon (Jorge Wagner), Cris, Luisão, Wendel (Thiago), Recife, Ricardinho (Ruy), Vander, Lúcio, Alessandro, Joãozinho. T: Marco Aurélio
CA: Luisão, Wendel, Ruy, Vander (Cru); Gedeon, Ramos, Carioca, Claudio (Cal)
CV: Recife (Cru)
*Cruzeiro jogou desfalcado de Jussiê contundido. Publico presente de 10.351
O atacante Alessandro
dividiu com Renaldo, do
América, o título de
artilheiro do Supercampeonato

GOLEADORES
3 gols: Renaldo (Ame) e Alessandro (Cru)
2 gols: Tucho (Ame), Mancini (Atl) e Gustavinho, Nenê (Cal)
1 gol: Edmundo, Lenilson (Ame), Alex, Júlio César, Marques, Rodrigo (Atl), Adriano, Carioca, Gedeon, Nelson (Cal), Fabio Junior, Joãozinho, Lúcio, Wendel (Cru), Edmilson (Mam)
1 gol contra: Fahel (Ame) a favor do Mamoré





Foto: Carlos Roberto/Hoje em Dia
O Cruzeiro que disputou a competição com o uniforme número três começou
o jogo da decisão contra a Caldense com a seguinte formação: Maicon,
Wendel, Luisão, Cris e Jefferson (em pé da esquerda para a direita);
Alessandro, Vander, Lucio, Recife, Ricardinho e Joãozinho. 
OS SUPERCAMPEÕES MINEIROS

GOLEIROS
JEFFERSON Oliveira Galvão (São Vicente, SP, 02/01/1983)
GLEGUER Zorzin (Americana, SP, 20/09/1976)

ZAGUEIROS
CRIStiano Marques Gomes (Guarulhos, SP, 03/06/1977)
Anderson Luís Silva - LUISÃO (Amparo, SP, 13/02/1981)
Marcelo Guioto - MARCELO BATATAIS (Batatais, SP, 09/09/1974)
THIAGO Pimentel Gosling (Belo Horizonte, MG, 25/04/1979)

LATERAL DIREITO
MAICON Douglas Sisenando (Novo Hamburgo, RS, 26/07/1981)
RUY Bueno Neto (Belo Horizonte, MG, 11/04/1978)

LATERAL ESQUERDO
Jorge Henrique Amaral Castro - JORGINHO PAULISTA (São Paulo, SP, 20/02/1980)

VOLANTES
FERNANDO MIGUEL Pelissari (Jandaia do Sul, PR, 10/09/1979)
Augusto Oliveira Silva - RECIFE (Joaquim Nabuco, PE, 03/08/1983)
Ricardo Alexandre dos Santos - RICARDINHO (Passos, MG, 24/06/1976).

MEIO-CAMPISTAS
João Soares Almeida Neto - JOÃOZINHO (Belo Horizonte, MG, 31/01/1980)
JORGE WAGNER Góes Conceição (Feira de Santana, BA, 17/11/1978)
Lucenilde Pereira da Silva - LÚCIO (Alvorada, TO, 14/01/1975)
VANDERson Marques Pereira (Vitória, ES, 15/09/1974)
WENDEL Geraldo Maurício e Silva (Mariana, MG, 08/04/1982)

ATACANTES
ALESSANDRO Andrade Oliveira (Teixeira de Freitas, BA, 27/05/1973)
FÁBIO JÚNIOR Pereira (São Pedro do Avaí, MG, 20/11/1977)
JUSSIÊ Ferreira Vieira (Nova Venécia, ES, 19/09/1983)
LUCAS Severino (Ribeirão Preto, SP, 03/01/1979)
LEONARDO Pereira Silva (Picos, PI, 13/06/1974)

TREINADOR
MARCO AURÉLIO Moreira (Muriaé, MG, 10/02/1952)
Postar um comentário