segunda-feira, 4 de junho de 2012

AGENDA HISTÓRICA


Silêncio que se escreve com uma letra. 
Alex marca, pelo Cruzeiro, com um toque de letra, o gol
mais bonito e antológico da história das decisões da Copa do
Brasil, contra o Flamengo, na final de 2003, que calou a chatíssima
orquestra corneteira dos mais de 60 mil flamenguistas no Maracanã

Por Henrique Ribeiro

04/06/1944 - A delegação do Cruzeiro foi a Oliveira com seus respectivos times de futebol, basquete e vôlei com a missão de disseminar a prática esportiva naquela cidade do interior mineiro. O time de futebol atuou com o nome de “Luís Chagas Carvalho” em homenagem ao presidente do Social e venceu a partida amistosa disputada no estádio José Maia por 5 a 2, com quatro gols de Niginho e um de Lazzarotti. Boneli e Araújo marcaram para o time da casa. O time de basquete que venceu o Oliveira Clube por 39 a 31 atuou com a denominação “Romeu Ribeiro de Castro” em homenagem ao dirigente do Oliveira Clube e o time de vôlei que foi derrotado por dois sets a zero para o Oliveira Clube jogou com o nome de “Geraldo Pereira”.

05/06/2002 - O ex-atacante e treinador Orlando Fantoni morre, em Salvador-BA, aos 85 anos, de efisema pulmonar. "Titio Fantoni" como era tratado pelos boleiros teve cinco passagens pelo Cruzeiro, como jogador, entre os anos 1930 e 1940, e outras três, como treinador, em 1967/68, 1971/72 e 1983. Foi campeão mineiro de 1967 e 1968 e da Taça Minas Gerais de 1983.

06/06/1975 - com a derrota para o Independiente, por 3 a 0, em Avellaneda, na Argentina, o Cruzeiro é eliminado da Taça Libertadores. O time estrelado poderia perder até por um placar de dois gols para assegurar a primeira colocação do Grupo B, da semifinal, que ainda tinha o Rosário Central. O Independiente soube prevalecer a sua condição de tricampeão sulamericano e partiu em busca do tetra-campeonato consecutivo. Uma marca ainda imbatível nos dias atuais. A derrota provocou a demissão do técnico Ilton Chaves, que estava no cargo, desde 23 de julho de 1972. Na saída de campo, os cruzeirenses ainda tiveram que escutar da torcida o canto de provocação que perseguia os clubes brasileiros na Libertadores: “Na Copa, La Copa, se mira e no se toca”!

07/06/1958 - Jogando com a camisa do Sete de Setembro, o Cruzeiro é derrotado por 2 a 1 pelo Meridional, de Conselheiro Lafaiete, no Independência, pelo Torneio Eliminatório, que foi criado para definir os oito participantes do Campeonato Mineiro. Antes da partida, ambos os times entraram em campo com camisas azuis e o árbitro solicitou que um deles alterasse o uniforme. Como não trouxeram camisas de outra cor, a solução foi buscarem o uniforme branco do Sete de Setembro na rouparia do estádio. Após vários minutos de impasse, o Cruzeiro aceitou, sob protestos, jogar com a camisa do time setembrino.

08/06/2005 - o meiocampista Alex marca o gol mais antológico da história das decisões da Copa do Brasil contra o Flamengo, no Maracanã (foto acima). Após uma tabela pelo lado direito com o atacante Deivid, o meiocampista recebeu o passe rasteiro na área e com um toque de letra, com o pé direito, colocou no canto esquerdo do gol abrindo o placar aos 30 minutos do segundo tempo calando as chatíssimas 30 mil cornetas distribuídas aos torcedores flamenguistas. O time rubro-negro alcançaria o empate no último minuto dos descontos com um gol de Fernando Baiano. Com o empate em 1 a 1, o Cruzeiro jogaria a partida de volta, no Mineirão, com a vantagem de um placar sem gols para ficar com o título.

09/06/1946 - o treinador Americo Tunes pede demissão do cargo, após a vitória por 1 a 0 sobre o Metalusina, no Alencar Peixoto, em Barão de Cocais, pelo Campeonato da Cidade. Americo que já havia trabalhado no Sete de Setembro e no Siderúrgica, de Sabará, teve uma rápida passagem pelo comando técnico do clube da constelação. Ele começou suas atividades em 9 de abril e após cinco partidas (quatro vitórias e uma derrota) decidiu deixar o comando técnico.

10/06/1999 - o atacante Túlio "Maravilha" marca o 500o gol de sua carreira na goleada do Cruzeiro por 4 a 1 sobre o Democrata, no Mamudão, em Governador Valadares, pelo Campeonato Mineiro. O gol histórico para a carreira do atacante foi marcado aos 20 minutos do primeiro tempo, após pegar de primeira um cruzamento da esquerda do lateral esquerdo André Luiz. O irreverente jogador, que também marcou a sua passagem pelos gramados pelo marketing pessoal, dedicou seu feito aos 500 anos do descobrimento do Brasil que seriam completados em abril de 2000.

twitter: @henriqueribe
facebook: http://www.facebook.com/almanaquedocruzeiro
Postar um comentário