domingo, 17 de junho de 2012

AGENDA HISTÓRICA


O atacante Roberto Gaúcho, o volante Fabinho, 
o lateral esquerdo e capitão Nonato e o lateral direito 
Marcos Teixeira dão a volta olímpica com a 
Copa do Brasil no gramado do Palestra Itália

Por Henrique Ribeiro

18/06/1964 - o meia Dirceu Lopes, o lateral direito Pedro Paulo e o goleiro Valdir são promovidos ao quadro profissional, após participarem da conquista do título do Campeonato Mineiro júnior.

19/06/1996 - o Cruzeiro derrota o Palmeiras por 2 a 1, no Palestra Itália, e conquista o bicampeonato da Copa do Brasil. Os gols da vitória, de virada, foram marcados por Roberto Gaúcho aos 25 e Marcelo Ramos aos 41 minutos, ambos no segundo tempo. O atacante Luizão marcou o gol palmeirense aos 5 minutos de jogo. As equipes haviam empatado a primeira partida da decisão, no Mineirão, por 1 a 1, em 14 de junho. Os outros jogos da campanha foram:

13/03/1996 - 1 x 1 Juventus-AC, em Rio Branco (AC)
20/03/1996 - 4 x 0 Juventus-AC, no Independência
28/03/1996 - 6 x 2 Vasco, em São Januário
17/04/1996 - 1 x 1 Vasco, no Independência
24/04/1996 - 4 x 0 Corinthians, no Independência
10/05/1996 - 2 x 3 Corinthians, no Pacaembu
28/05/1996 - 1 x 1 Flamengo, no Maracanã
05/06/1996 - 0 x 0 Flamengo, no Mineirão

20/06/1973 - o Cruzeiro desembarca em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde faria um amistoso contra o Cruz Azul, do México. A delegação cruzeirense ficou hospedada num navio inglês ancorado na baía de Santa Mônica. A embarcação havia sido utilizada por mais de 30 anos nas viagens entre a América e a Europa e foi comprada por um milionário excêntrico, que a transformou num hotel flutuante.

21/06/1961 - o passe do lateral esquerdo Geraldino, do Siderurgica, é adquirido pelo Cruzeiro pela soma de Cr$ 1 milhão. Foi a maior transação entre clubes mineiros. A maior havia sido a do atacante Dino, também do Siderúrgica, pelo Atlético, por Cr$ 250 mil. Geraldino iria receber salários de Cr$ 10 mil mensais, Cr$ 60 mil de luvas mais uma gratificação de Cr$ 200 mil de uma folha corrida entre os sócios cruzeirenses.

22/06/1936 - a diretoria do Cruzeiro e o presidente Romeo de Paoli renunciam aos seus respectivos cargos, após uma crise entre o clube e a direção do América, que começou num amistoso do Cruzeiro contra o Flamengo, no Rio de Janeiro, em 16 de junho. Ao retornarem à capital mineira, Paoli denunciou o América de ter tentado impedir a realização do amistoso promovendo, inclusive, uma campanha com a intenção de denegrir a imagem do Cruzeiro no Rio. Os americanos teriam até se oferecido para uma partida contra o Fluminense por qualquer renda. Paoli ficou menos de um mês no cargo. Ele havia sido eleito em 25 de maio em substituição a Miguel Perrella, que também havia renunciado, por discordar da fórmula de disputa do Campeonato da Cidade adotada pelos clubes.

23/06/1988 - o goleiro Gomes é negociado ao Grêmio por Cz$ 20 milhões. O jogador que era técnico em eletrônica, em Ipatinga, chegou as categorias de base do Cruzeiro, após ter sido reprovado num teste no Atlético. Pelo time estrelado conquistou o título do Estadual júnior de 1979. Foi lançado no time profissional em 1982, mas somente conquistou a titularidade, após as saídas e Luiz Antônio e Ademir Maria, em 1986. Gomes que também era lutador de tae kwon do se notabilizava por saltar e acertar o travessão do gol com um pontapé. O goleiro fez 178 jogos com a camisa cruzeirense e sofreu 91 gols. Ele foi Campeão Mineiro de 1987 e da Taça Minas Gerais 1982 e 1983.

24/06/2009 - o Cruzeiro vence o Grêmio por 3 a 1, no Mineirão, na primeira partida das semifinais da Taça Libertadores. A partida ficou marcada por um incidente envolvendo o atacante argentino Maxi Lopez, do Grêmio, e o meiocampista Elicarlos, do Cruzeiro. Ainda no primeiro tempo da partida, o gremista ofendeu o cruzeirense com um pejorativo racista ao chamá-lo de "macaco". Após o jogo, Elicarlos registrou queixa na delegacia do Mineirão e a delegação gaúcha só pode retornar ao hotel, após o jogador argentino prestar depoimento na delegacia do Mineirão.

25/06/1961 - morre o ex-técnico Chico Trindade que comandou o Cruzeiro nas conquistas dos Campeonatos da Cidade de 1944 e 1945. Chico dirigiu o time cruzeirense em 61 partidas entre as temporadas de 1944 a 1946. O Cruzeiro foi o primeiro clube de sua carreira, já que Trindade era árbitro de futebol antes de ter sido convidado pela diretoria estrelada para substituir o técnico Bengala. A contratação de Chico Trindade gerou muita polêmica na época não apenas por nunca ter sido jogador ou treinador, mas também por ser atleticano e conselheiro do rival alvinegro.

twitter: @henriqueribe
facebook: http://www.facebook.com/almanaquedocruzeiro

Postar um comentário