sexta-feira, 29 de junho de 2012

Clube de futebol não é partido político


O ex-presidente do Cruzeiro e atual senador, Zezé Perrella, mais o atual vice-presidente, Zé Maria Fialho. Ambos envolvidos em denúncias de crimes de fraudes e corrupção. 

Por Ricardo Corrêa

Há quem às vezes se surpreenda quando falo de minhas migrações do jornalismo esportivo para o político. Durante os quase dez anos de carreira, ou estive trabalhando com futebol ou com política.

Muitos sabem, no entanto, que não há muita diferença. Grosso modo, há como comparar partidos aos times de futebol, em campeonatos disputados de dois em dois anos. Então não é surpreendente que as atividades andem tão juntas.

Fato é que exatamente nos casos em que interesses políticos e esportivos estão mais próximos, mais suspeitas recaem sobre aqueles que operam nos dois lados. Basta lembrar de quantos dirigentes-políticos foram alvos de denúncias antes da família Perrella.

Para citar dois deles, Luiz Estevão, único senador cassado, com a atividade ligada ao Brasiliense, e Eurico Miranda, ex-deputado federal e ex-presidente do Vasco. Ambos acabaram condenados.

No caso do primeiro, a acusação de superfaturar a obra do prédio do TRT de São Paulo rendeu condenação a 36 anos e meio de prisão. No caso de Eurico, uma condenação por dez anos se deu por suposta sonegação.

É evidente que os interesses que movem tais políticos não estão no amor por seus times, nem na intenção de mudar o país pela política. No fim, a questão é sempre econômica.

No ramo do futebol, eles sabem que a paixão dos torcedores faz cegar os olhos para os malfeitos que praticam. No ramo político, contam com esta paixão para conseguir votos suficientes.

Os números mostram que funciona. Zezé Perrella, em 1998, um ano após o Cruzeiro conquistar a Libertadores, foi eleito deputado federal com 185 mil votos.

Quando voltou a disputar o cargo, em 2006, já passados três anos do último título importante (Brasileiro de 2003), sua votação despencou para 69 mil votos.

É bom que casos como os citados sirvam de alerta. Afinal, em tempo de eleições, aparecem diversos candidatos ligados a entidades esportivas querendo se aproveitar dessa predisposição do torcedor para apoiar seu clube.

Que o eleitor saiba dividir bem as coisas se não quiser, mesmo no íntimo de seu voto secreto, envergonhar-se do que fez na urna, quando as denúncias dos órgãos fiscalizadoras derem ares oficiais ao que todos já contam pelos cantos há anos.

Ricardo Corrêa
rcorrea@hojeemdia.com.br

PF faz busca e apreensão na casa de ex-dirigente do Cruzeiro

Ministério Público investiga empresa dos filhos de Zezé Perrella

Operação conjunta combate fraudes em merendas envolvendo empresas Perrella

A merenda corrompida em Minas e o enriquecimento inusitado de Perrella

Vice-presidente do Cruzeiro pede para esconder documentos

Áudio exclusivo: em grampo, Stillus cogita devolver R$ 11,4 milhões

Zezé Perrella (PDT) tem patrimônio invejável que o TRE desconhece

Benfica: polícia investiga transferências de Luisão e Ramires

Presidente do Cruzeiro assume vaga de Itamar Franco no Senado

twitter: @henriqueribe
www.facebook.com.br/almanaquedocruzeiro

Nenhum comentário: