sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

A tri-artilharia de Ninão repleta de recordes históricos


Por Henrique Ribeiro

O atacante Ninão, que atuou na era Palestra do Cruzeiro, foi o primeiro tri-artilheiro de um campeonato regional em Minas. Entre 1928 e 1930 ele liderou o quadro de artilheiros com as impressionantes médias de 2,5 a 3 gols por jogo. Apenas Tostão, também do Cruzeiro, conseguiu a igualar a façanha de Ninão ao se tornar três vezes artilheiro consecutivamente de um campeonato. No entanto as outras marcas estabelecidas por Ninão são imbatíveis até os dias atuais.

O "tanque", como era chamado, por causa do estilo rompedor, começou a escrever o seu nome na história no Campeonato da Cidade de 1928. Ele encerrou a disputa com 43 gols marcados e tornou-se o maior artilheiro da história do campeonato. Como participou de 14 partidas, o atacante estabeleceu uma média de 3 gols por jogo. Uma marca inimaginável nos dias atuais.

O número de gols e a média ainda poderiam ter sido maiores se as partidas contra o Palmeiras, pelo turno, e contra o Guarany, pelo returno, tivessem acontecido. É que ambos os adversários comunicaram a Liga Mineira a entrega dos pontos dias antes dos jogos. E ainda teve a partida de estreia contra o Syrio, que o Cruzeiro goleou por 8 a 2, no Barro Preto. Neste jogo Ninão marcou três gols. No entanto, o time da colônia palestina da capital, desistiu de disputar o returno e saiu do Campeonato. Assim, seus jogos foram anulados e transformados em amistosos.

Ninão ainda deixaria outra marca exclusiva naquele campeonato. Ele marcou 10 gols na goleada de 14 a 0 sobre o Alves Nogueira, de Sabará, e tornou-se o maior artilheiro em uma só partida na história do futebol mineiro.

No ano seguinte, em 1929, Ninão repetiu a artilharia do Campeonato da Cidade. Marcou 33 gols em 13 jogos que participou e, novamente, estabeleceu uma alta média de 2,5 gols por partida.

Mais uma vez, o número de gols e a média só não foram maiores porque uma das partidas contra o Sport Calafate não aconteceu, porque o rubro negro do Prado desistiu de disputar o confronto pelo returno. Além, é claro, de uma disputa nos tribunais, pela vaga do acesso entre Palmeiras e Santa Cruz, que forçaram a decisão da Liga Mineira de colocá-los na disputa apenas no returno. Assim, o Cruzeiro só os enfrentou nesta fase do Campeonato.

No entanto, Ninão não deixaria por menos e estabeleceu uma façanha espetacular no Campeonato de 1929. Ele marcou gols em todos os jogos que participou!

Em 1930, o tanque palestrino concluiria a sua tri-artilharia. Ele tornou-se líder do quadro de goleadores do Campeonato da Cidade ao marcar 18 vezes em 7 partidas que participou. Uma média de 2,5 gols por jogo.

Aquele ano marcou a estreia do código de futebol que prometia acabar com a indisciplina dos jogadores nos gramados. Ninão foi a primeira vítima do novo documento. Na partida contra o Atlético, pelo turno, ele dirigiu ofensas ao árbitro que foram relatadas em súmula pelo delegado do jogo. O tanque recebeu a punição mais severa da temporada: suspensão de seis jogos.

Assim, o tanque ficou impedido de marcar seus gols nos jogos do turno contra o Guarany, America e Sete, e do returno, contra o Palmeiras, Sport Calafate e Villa Nova. Ninão retornou nas últimas três partidas, quando estava na quarta colocação da tabela de artilheiros. No entanto, marcou 9 gols nas partidas restantes e encerrou o campeonato como líder do quadro de goleadores.

Naquele campeonato, o confronto contra o Atlético, pelo returno, não aconteceu, porque o alvinegro abandonou a disputa na reta final em protesto contra a suspensão de dois jogos, do atacante Cunha, pelo código do futebol.

Os gols de Ninão no Campeonato de 1928

Turno
06/05 - 3 x 1 Villa Nova
[Ninão/3 (Cru); Carvalho (Vil)]
03/06 - 11 x 0 Sport Calafate
[Ninão/6, Bengala/4 e Zezinho]
17/06 - 14 x 0 Alves Nogueira
[Ninão/10, Bengala/3 e Zezinho]
08/07 - 9 x 1 Sete
[Bengala/4, Ninão/3 e Zezinho/2 (Cru); Ovídio (Set)]
05/08 - 6 x 4 América
[Ninão/4, Bengala e Zezinho (Cru); Sátiro 2, Cunha, Teixeira (Ame)]
12/08 - 11 x 1 Guarany
[Bengala/4, Ninão/4, Zezinho/2 e Nereu; Júlio (Gua)]
Returno
11/11 - 8 x 1 Alves Nogueira
[Bengala/4 e Ninão/4 (Cru); Belém (Alv)]
02/12 - 6 x 1 Sport Calafate
[Bengala/2, Ninão, Piorra, Zezinho e Eduardo-contra (Cru); Lalau (Spo)]
09/12 - 2 x 1 América
[Canhoto (Ame); Bengala e Ninão (Cru)]
16/12 - 2 x 2 Atlético
[Armandinho e Ninão (Cru); Dalmi e Said (Atl)]
23/12 - 11 x 1 Palmeiras
[Ninão/4, Bengala/4, Armandinho/2 e Zezinho; Paulino (Pal)]
06/01/1929 - 6 x 1 Villa Nova
[Bengala/4 e Ninão/2 (Cru); Carvalho (Vil)]

Os gols de Ninão no Campeonato de 1929

Turno
05/05 - 12 x 0 Alves Nogueira
[Ninão/5, Bengala/4, Zezinho/2 e Piorra]
26/05 - 7 x 2 Guarany
[Zezinho/3, Ninão/2, Bengala e Piorra (Cru); Brandão e Farinelli (Gua)]
09/06 - 3 x 1 Atlético
[Ninão/2 e Bengala]
23/06 - 3 x 0 Sport Calafate
[Bengala/2 e Ninão (Cru); Jairo (Atl)]
30/06 - 5 x 3 Sete
[Ninão/2, Armandinho, Bengala e Zezinho (Cru); Zé Maria/2 e Lelo (Set)]
07/07 - 3 x 0 América
[Ninão/2 e Bengala]
Returno
28/07 - 8 x 0 Palmeiras
[Ninão/4, Zezinho/2, Bengala e Carazo]
11/08 - 11 x 0 Alves Nogueira
[Ninão/3, Bengala/2, Carazo/2, Piorra/2, Nereu e Zezinho]
18/08 - 10 x 2 Santa Cruz
[Bengala/4, Carazo/3 e Ninão/3 (Cru); Articum e Walfrido (San)]
25/08 - 8 x 1 Guarany
[Ninão/4, Zezinho/3 e Carazo (Cru); Lauro (Gua)]
08/11 - 3 x 1 América
[Armandinho/2 e Ninão (Cru); Jorivê (Ame)]
17/11 - 5 x 2 Atlético
[Ninão/2, Armandinho, Bengala e Binga-contra (Cru); Jairo e Orlando (Atl)]
24/11 - 5 x 0 Sete
[Ninão/4 e Carazo]

Os gols de Ninão no Campeonato de 1930

Turno
20/04 - 11 x 0 Palmeiras
[Ninão/4, Bengala/4, Armandinho, Carazo e Pires]
27/04 - 6 x 0 Sport Calafate
[Ninão/4, Carazo e Niginho]
04/05 - 3 x 2 Villa Nova
[Bengala, Ninão e Pires (Cru); Lêra e Moore (Vil)]
Returno
03/08 - 8 x 0 Guarany
[Ninão/4, Bengala/2 e Carazo/2]
10/08 - 8 x 0 Sete
[Ninão/4, Carazo/3 e Armandinho]
31/08 - 2 x 0 América
[Ninão e Piorra]

https://www.facebook.com/almanaquedocruzeiro?ref=hl

Postar um comentário