sábado, 30 de janeiro de 2016

Campeonato da Cidade 1942

Carlos Henrique

CAMPEONATO DA CIDADE 1942

Campanha do Cruzeiro
Turno
24/05 - Cruzeiro 7 x 2 Sete
14/06 - Cruzeiro 1 x 0 Siderúrgica
05/07 - Cruzeiro 1 x 1 América
19/07 - Cruzeiro 3 x 1 Villa Nova (Bonfim)
09/08 - Cruzeiro 0 x 2 Cam (Lourdes)
Returno
30/08 - Cruzeiro 3 x 0 Sete (Alameda)
13/09 - Cruzeiro 1 x 1 Siderúrgica (Praia do Ó)
27/09 - Cruzeiro 3 x 0 Villa Nova
04/10 - Cruzeiro 1 x 2 Cam
11/10 - Cruzeiro 1 x 0 América (Alameda)
*o Aeroporto abandonou o campeonato, após o turno e deixou o regime profissional em 26 de agosto. Os jogos do time da aeronáutica (Pampulha) foram anulados.

Classificação: 1º Cam (Campeão); 2º Cruzeiro; 3º Siderúrgica; 4º Sete; 5º America; 6º Villa Nova
Artilheiro Máximo: Tião (Cam) com 12 gols
Campeão do Campeonato de Aspirantes: Siderúrgica
Campeão do Torneio Início: Siderúrgica

Fórmula de disputa:
Turno e returno. Classificação definida no sistema de pontos corridos, sem acesso e rebaixamento, pois não havia Série B.

Critérios de participação:
Clubes profissionais filiados a FMF e inscritos no Campeonato. O Sete disputou o Campeonato como agregado

Sistema 2-3-5:
Geraldo II, Gérson e Azevedo; Fuinha, Juca e Caieirinha; Nogueirinha (Rizzo II), Orlando, Niginho, Ismael e Alcides. Técnico: Bengala

Quem jogou:
Azevedo, Gérson, Ismael, Juca, Niginho e Orlando 10
Caieirinha 9
Geraldo II 8
Alcides, Fuinha e Nogueirinha 7
Rizzo II 5
Rizzo 3
Rui 2
Souza e Zezé 1

Quem marcou gols:
Ismael, Niginho, Nogueirinha e Rizzo II 4
Alcides 3
Orlando 2

Novidades
De acordo com o os novos estatutos da Federação Mineira, passou a ser obrigatória a apresentação do certificado de reservista do exército dos jogadores. A CBD liberou a contratação de menores de 16 anos (Diario da Tarde, 03/07/1942). De acordo com o artigo 32, do decreto lei 3.199, do Conselho Nacional do Desporto, os clubes só poderiam escalar um jogador estrangeiro. Passou a ser exigido o diploma de educação física para os técnicos de futebol.

Protesto dos árbitros
Em 7 de agosto, os árbitros da FMF enviaram um pedido de demissão a direção da entidade. A medida foi em protesto contra a escolha de um árbitro carioca pelas diretorias de Atlético e Cruzeiro para o clássico do turno. Apenas Harry Leite e Geraldo Toledo não assinaram o documento.

O fim da era Palestra
Esta foi a última temporada do clube com o nome oficial de Palestra. Em janeiro de 1942, o clube alterou o nome Palestra Itália para Palestra Mineiro. O escudo na camisa passou a ter um P solitário em meio ao losango. No entanto, a imensa maioria dos associados, conselheiros e atletas exigiam o uso de um nome com identificação nacional e sem provincianismos. Assim, na assembleia geral, em 7 de outubro, ficou definido que o clube se chamaria Cruzeiro Esporte Clube em homenagem a constelação do Cruzeiro do Sul, que era um dos maiores símbolos da pátria brasileira presente na bandeira e hino nacionais e nas armas da república. O uniforme com a camisa e meias azuis com o calção foi uma clara referência a azurra italiana.

O clube ainda atuou como Palestra Mineiro e usou o uniforme palestrino, até janeiro de 1943. Isto porque os novos estatutos do clube levaram três meses para serem aprovados pela Federação Mineira. O nome Palestra Mineiro está presente em todas as atas das aprovações dos jogos divulgadas pela Federação Mineira, que foram publicadas pelos jornais até o final do Campeonato de 1942; O uso do uniforme palestrino pode ser verificado nas fotos dos jogos publicadas nos jornais até janeiro de 1943.
Postar um comentário