domingo, 7 de fevereiro de 2016

Campeonato Mineiro 1958

Em pé: Leston, Adelino, Vavá, Cléver, Amauri, Rossi; Agachados: Pelau, Dirceu, Elmo, Nívio e Raimundinho

Carlos Henrique

CAMPEONATO MINEIRO 1958

Campanha do Cruzeiro
1º turno
30/10 - Cruzeiro 1 x 0 Siderúrgica
09/11 - Cruzeiro 1 x 2 Democrata-SL (Duarte de Paiva)
13/11 - Cruzeiro 2 x 0 Bela Vista-SL
20/11 - Cruzeiro 2 x 2 América (Independência)
27/11 - Cruzeiro 1 x 0 Sete (Independência)
07/12 - Cruzeiro 0 x 3 Atlético (Independência)
14/12 - Cruzeiro 3 x 1 Uberaba (Boulanger Pucci)
2º turno
10/01/1959 - Cruzeiro 5 x 2 Sete (Independência)
18/01/1959 - Cruzeiro 0 x 1 Siderúrgica (Praia do Ó)
25/01/1959 - Cruzeiro 1 x 1 América (Independência)
31/01/1959 - Cruzeiro 2 x 0 Democrata-SL
15/02/1959 - Cruzeiro 4 x 0 Uberaba
22/02/1959 - Cruzeiro 0 x 0 Bela Vista-SL (Duarte de Paiva)
01/03/1959 - Cruzeiro 1 x 0 Atlético (Independência)
Decisão do 2º turno
05/04/1959 - Cruzeiro 1 x 1 América (Independência)
09/04/1959 - Cruzeiro 1 x 1 América (Independência)
12/04/1959 - Cruzeiro 1 x 3 América (Independência)

Classificação: 1º Cam (campeão); 2º America; 3º Cruzeiro; 4º Siderúrgica; 5º Democrata e Uberaba; 7º Sete; 8º Bela Vista
*Cam classificado para o Campeonato Brasileiro de 1959, como campeão máximo do estado.
Artilheiros Maximos: Silvestre (Siderúrgica) e Paulinho (Uberaba) com 10 gols
Torneio Início: não houve

Fórmula de disputa
Dois turnos distintos. Os vencedores de cada turno disputaram o título numa série decisiva. Caso uma mesma equipe vencesse os dois turnos seria campeã direta.

Critérios de participação
Equipes classificadas no Torneio Eliminatório

Sistema 2-3-5
Rossi, Vavá e Massinha; Nilsinho (Adelino), Amauri e Clever; Iranildo, Pelau, Dirceu, Guerino e Nívio. Técnicos: Artur Nequessaurt (6), Fábio e Joaquim Gramisceli (1), Gérson (11)

Quem jogou
Clever 17
Amauri, Pelau e Rossi (goleiro) 16
Dirceu 15
Guerino e Vavá 14
Massinha 12
Nilsinho 9
Adelino, Iranildo, Nívio 8
Leston e Zezinho 6
Haroldo e Raimundinho 5
Elmo, Emerson e Pireco 3
Chiquinho, Eduardo e Mirim 1

Quem marcou gols
Pelau 8
Guerino 5
Amauri 3
Haroldo e Raimundinho 2
Dirceu, Emerson, Iranildo, Leston, Nívio e Zezinho1

Golpe na Fórmula Siderúrgica
Os clubes da capital promoveram um golpe contra a fórmula proposta pelo Siderúrgica de se criar um campeonato mineiro dividido em regiões e passaram a aceitar a inscrição de vários clubes do interior na divisão extra de profissionais: Bela Vista (Sete Lagoas), Curvelo, Pedro Leopoldo e Renascença (time de futebol de fábrica e amador de Belo Horizonte) foram incluídos na "extra" em 9 de janeiro; o Guarani (Divinópolis) e o Uberaba, em 26 de janeiro.

Campeão de BH contra o campeão de Juiz de Fora pelo título de "campeão mineiro"
Enquanto os clubes discutiam a revisão da divisão extra de profissionais da capital, os jornais cobravam uma antiga pendência que nunca foi cumprida, que era a disputa do título de campeão mineiro, entre os vencedores da divisão extra (BH) e da divisão de Juiz de Fora. "A propósito consta do calendário da entidade mineira o jogo entre o campeão da extra e de juiz de fora. O certame de Juiz de Fora está prestes a terminar, mas até o momento não se cogita de reservar a data. A entidade montanhesa parece ignorar a existência do calendário (Diario da Tarde, 23/01/1958)

Torneio Eliminatório
Atlético e America não aceitavam a disputa de um Campeonato com 14 clubes (antes da inclusão de Guarani e Uberaba) e exigiam uma cota mínima de Cr$ 20 mil para jogarem no interior. Atletico propôs a fórmula do campeonato paulista, que incluía a disputa de um torneio eliminatório. O Conselho divisional, em 4 de fevereiro, decidiu por 8 votos a 7, pela criação de um torneio eliminatório para apontar os participantes do Campeonato Mineiro de 1958. O Torneio seria disputado em rodadas duplas com todos os jogos na capital. Ficou decidida a redução de 10 para 8 times no Campeonato. Isso ficou entendido como um golpe contra os "times de futebol de fábrica", como o Meridional e o Metalusina, para eliminá-los do campeonato. O Eliminatório foi disputado por 16 clubes, entre 27 de abril e 14 de setembro. Apesar dos jogos disputados em Belo Horizonte e, em estádios neutros, foi disputado, desnecessariamente, um returno. Devido a isso, o Campeonato de 1958 atravessou o ano de 1959 e retardou o início dos campeonatos dos anos seguintes. As 8 equipes classificadas no Torneio Eliminatório pela ordem foram: 1º Cam; 2º America, Democrata e Sete; 5º Uberaba; 6º Siderúrgica; 7º Bela Vista; 8º Cruzeiro; e os eliminados pela ordem foram: 9º Renascença; 10º Meridional; 11º Villa Nova; 12º Pedro Leopoldo; 13º Asas; 14º Curvelo; 15º Metalusina; 16º Guarani.

Eliminatório cumpria a lei de acesso
O Torneio Eliminatório nada mais é que a lei de acesso, como bem define o artigo 31 do código de futebol da FMF. Não é amparado pela legislação (Diario da Tarde, 09/07/1958). Por não ser amparado pela legislação, os clubes tentaram aumentar o número de participantes do Campeonato Mineiro de 8 para 10, inclusive, o Villa Nova, que não se conformava com a sua eliminação em campo, mas a proposta foi rejeitada. O Villa contestava a ilegalidade da disputa e reivindicava "direitos adquiridos" para a disputa do Campeonato por ser um dos clubes filiados mais antigos. O Conselho Nacional do Desporto-CND considerou o torneio eliminatório legal, em 22 de agosto, sob o argumento de que o conselho divisional tem poder de assembleia geral.

Eliminatório não foi uma fase do Campeonato
Em fevereiro de 1959, o Tribunal de Justiça Desportiva-TJD não considerou o torneio eliminatório, como parte integrante do Campeonato Mineiro, ao contrário do Conselho Superior da Federação Mineira. A diferença no entendimento gerou uma crise entre os dois setores. A discussão teve início, após um recurso do atletico pedindo a perda dos pontos do america no campeonato de aspirantes de 1958, nos jogos em que o atleta Guido foi escalado. É que o jogador havia atuado em 10 partidas pelo America, no Eliminatório. Segundo os critérios da categoria de aspirantes, o atleta que somasse metade de jogos oficiais da temporada no time principal era considerado titular e não poderia atuar em jogos oficiais dos aspirantes. O TJD manteve os pontos do america e o título do 1º turno de aspirantes por entender que o Eliminatório não fazia parte do Campeonato Mineiro de 1958.

Virada de mesa
O Cruzeiro, como vencedor do 2º turno, faria a decisão do titulo contra o atletico, que levou o 1º turno. No entanto, uma virada de mesa adiou a decisão. É que, na última rodada, em 1º de março de 1959, Uberaba e America empataram (2 a 2) e ambos foram ultrapassados na tabela pelo Cruzeiro, que havia vencido o atletico. Num fato inédito na história, o Uberaba (influenciado pelo America) entrou com um recurso no TJD pedindo a anulação do próprio jogo. A manobra teve o conluio do árbitro Luiz Guarda (Luiz Pereira Filho) que relatou na súmula que o alambrado do estádio Boulanger Pucci estava alguns centímetros abaixo do permitido. O TJD considerou “erro de direito” e anulou o jogo. O fato curioso é que a medição do alambrado foi feita pelo árbitro com uma fita métrica, quando esta inspeção cabia ao delegado do jogo. Outra partida foi marcada para 29 de março, sob protestos do Cruzeiro. O America venceu o Uberaba (2 a 1) e o resultado colocou o alviverde com a mesma pontuação do Cruzeiro. Os rivais tiveram que decidir o título do 2º turno numa série decisiva.
Postar um comentário