segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Campeonato Mineiro 1961

Massinha, Mussula, Benito, Amauri, Geraldino e Vavá; Antoninho, Rossi, Paulo, Elmo e Nerival

Carlos Henrique

CAMPEONATO MINEIRO 1961

Campanha do Cruzeiro
Turno
03/09 - Cruzeiro 2 x 0 Uberaba (Barro Preto)
06/09 - Cruzeiro 3 x 1 Pedro Leopoldo (Alameda)
10/09 - Cruzeiro 4 x 1 Meridional (Barrancos, Conselheiro Lafaiete)
16/09 - Cruzeiro 2 x 2 Valério (Barro Preto)
24/09 - Cruzeiro 1 x 1 Villa Nova (Bonfim)
01/10 - Cruzeiro 0 x 0 América (Barro Preto)
15/10 - Cruzeiro 0 x 2 Democrata-SL (Barro Preto)
21/10 - Cruzeiro 2 x 1 Renascença (Barro Preto)
29/10 - Cruzeiro 2 x 0 Siderúrgica (Praia do Ó, Sabará)
05/11 - Cruzeiro 1 x 0 Guarani (Independência)
11/11 - Cruzeiro 4 x 1 Bela Vista (Independência)
19/11 - Cruzeiro 2 x 0 Sete (Independência)
26/11 - Cruzeiro 1 x 2 Atlético (Independência)

Returno
01/12 - Cruzeiro 6 x 2 Pedro Leopoldo (Alameda)
17/12 - Cruzeiro 1 x 0 Guarani (Alameda)
14/01/1962 - Cruzeiro 0 x 1 Siderúrgica (Independência)
21/01/1962 - Cruzeiro 4 x 3 Sete (Barro Preto)
25/01/1962 - Cruzeiro 1 x 0 Uberaba (Boulanger Pucci, Uberaba)
04/02/1962 - Cruzeiro 3 x 1 Valério (Israel Pinheiro, Itabira)
10/02/1962 - Cruzeiro 3 x 0 Meridional (Independência)
18/02/1962 - Cruzeiro 2 x 1 Villa Nova (Independência)
24/02/1962 - Cruzeiro 1 x 2 Democrata (Independência)
11/03/1962 - Cruzeiro 1 x 0 Renascença (Eucaliptos)
18/03/1962 - Cruzeiro 1 x 2 América (Alameda)
25/03/1962 - Cruzeiro 2 x 0 Atlético (Independência)
01/04/1962 - Cruzeiro 3 x 0 Bela Vista (Independência)

Classificação: 1º Cruzeiro (campeão); 2º America; 3º atletico; 4º Democrata e Guarani; 6º Uberaba; 7º Siderúrgica; 8º Pedro Leopoldo; 9º Villa Nova; 10º Valerio; 11º Bela Vista; 12º Renascença; Rebaixados: 13º Sete; 14º Meridional
*Cruzeiro indicado para o Campeonato Brasileiro de 1962 como campeão maximo de Minas Gerais
Artilheiro Máximo: Amauri (América) com 15 gols
Campeão da 1ª Divisão (interior): Itaú de Minas
Campeão da Divisão Especial (Juiz de Fora): Tupynambas

Fórmula de disputa
Turno e Returno. Classificação definida no sistema de pontos corridos. Os dois últimos colocados foram rebaixados. O antepenúltimo colocado decidiu contra o campeão da 1a Divisão (Divisão do Interior) uma das vagas para a divisão extra de 1962.

Critérios de participação:
Clubes da Divisão Extra de Profissionais inscritos no Campeonato. O Renascença e o Sete eram amadores e participavam da divisão extra como agregados.

Time Campeão:
Mussula, Vavá e Benito; Massinha, Amauri e Geraldino; Antoninho, Rossi, Paulo (Elmo), Nelsinho (Emerson) e Orlando (Nerival). Técnicos: Niginho (7), Furletti (9) e Geninho (10).

Quem jogou
Antoninho e Mussula 26
Benito 24
Geraldino e Rossi 22
Vavá 21
Massinha 20
Nelsinho 19
Paulo 16
Emerson 14
Elmo 12
Amauri, Nilsinho e Orlando 11
Jairo e Nerival 10
Clever 9
Tião 6
Jaime e Mirim 3
Dirceu, Fernando, Genivaldo, Jair Francisco, Marcio e Zé Braz 1

Quem marcou gols
Rossi 11
Elmo e Paulo 10
Antoninho e Emerson 6
Geraldino, Nelsinho, Orlando e Tião 2
Nerival 1

Divisões Extra, Especial e Primeira
Com a reforma dos estatutos da Federação Mineira, o Campeonato de Juiz de Fora, que era um campeonato regional que incluía clubes das cidades das zonas da mata, vertentes e mantiqueira, passou a ter status de "Divisão Especial". A Liga Desportiva de Juiz de Fora continuou organizando este regional. O Campeonato do Interior foi dividido em zonas centro e do triângulo e passou a ter o status de "Primeira Divisão". Este campeonato foi organizado pela Federação Mineira. O Campeonato da Capital continuou como "Divisão Extra".

Rebaixamento e acesso
Os dois últimos colocados da Divisão Extra foram rebaixados para a "Primeira Divisão" (Interior). O campeão da "Primeira Divisão" disputaria o acesso a "Divisão Extra" contra o antepenúltimo colocado da Extra.
Os times da divisão especial preferiam disputar o próprio campeonato (Juiz de Fora) e, por isso, não concorreram ao acesso a divisão extra.

Título de campeão mineiro
Segundo artigo 53 do regulamento, o título mineiro e a Taça Minas Gerais seria disputado após terminados os campeonatos tratados pelos artigos 50, 51 e 52, Divisão Extra, Divisão Especial (Juiz de Fora) e Primeira Divisão, entre seus respectivos vencedores (Estado de Minas, 27/05/1962)

Cruzeiro se recusa a disputar o titulo mineiro
A Federação Mineira prometeu organizar o triangular entre os campeões das divisões da capital, a “extra” (Cruzeiro), a divisão de juiz de fora, a “especial” (Tupynambas, de Juiz de Fora) e da divisão do interior, a “1ª Divisão” (Itaú de Minas), pela disputa do título de “campeão mineiro de 1961”. O Cruzeiro se recusou a disputar o título e alegou que a competição seria deficitária. Caso ocorresse ameaçou escalar o time de aspirantes. O time estrelado exigiu que a Federação Mineira o indicasse para a disputa do Campeonato Brasileiro de 1962, como campeão da divisão extra (da capital), como vinha fazendo desde 1959 (Diário da Tarde, 24/05/1962). Conforme descrito no 2º parágrafo, do artigo 1º, do regulamento do Campeonato Brasileiro, “caso a Federação não promova o campeonato estadual, far-se-á representar pelo campeão da capital ou da cidade cuja hegemonia técnica seja notória” (Estado de Minas, 20/09/1959 – pag.4 – 2ª seção). O título mineiro não foi disputado e o Cruzeiro foi indicado pela FMF para o Campeonato Brasileiro de 1962, como campeão da divisão extra.
Postar um comentário