domingo, 28 de fevereiro de 2016

Campeonato Mineiro 1970

Em pé: Vanderlei, Fontana, Pedro Paulo, Piazza, Mario Tito e Raul; Agachados: Natal, Zé Carlos, Tostão, Dirceu Lopes e Rodrigues.

Carlos Henrique

CAMPEONATO MINEIRO 1970

Campanha do Cruzeiro
Turno
28/06 - Cruzeiro 5 x 2 Uberlândia (Mineirão)
01/07 - Cruzeiro 3 x 0 Valério (Mineirão)
04/07 - Cruzeiro 1 x 0 Flamengo (Mineirão)
09/07 - Cruzeiro 0 x 0 Atlético Três Corações (Mineirão)
12/07 - Cruzeiro 1 x 2 América (Mineirão)
15/07 - Cruzeiro 1 x 0 Uberaba (Boulanger Pucci, Uberaba)
18/07 - Cruzeiro 2 x 2 Villa Nova (Mineirão)
22/07 - Cruzeiro 5 x 0 Tupi (Mineirão)
26/07 - Cruzeiro 1 x 1 Fluminense (Sebastião César, Araguari)
29/07 - Cruzeiro 5 x 0 Sport (Mineirão)
02/08 - Cruzeiro 1 x 2 atletico (Mineirão)
Returno
05/08 - Cruzeiro 1 x 0 Uberlândia (Mineirão)
08/08 - Cruzeiro 2 x 1 Valério (Mineirão)
13/08 - Cruzeiro 3 x 1 Flamengo (Mineirão)
15/08 - Cruzeiro 2 x 0 Atlético Três Corações (Mineirão)
19/08 - Cruzeiro 1 x 2 América (Mineirão)
22/08 - Cruzeiro 2 x 0 Uberaba (Mineirão)
26/08 - Cruzeiro 2 x 1 Villa Nova (Mineirão)
30/08 - Cruzeiro 1 x 0 Tupi (Salles de Oliveira, Juiz de Fora)
13/09 - Cruzeiro 4 x 0 Fluminense (Mineirão)
16/09 - Cruzeiro 1 x 2 Sport (Mineirão)
20/09 - Cruzeiro 1 x 1 Atlético (Mineirão)
*O Cruzeiro perdeu os pontos do empate contra o Atlético, pela última rodada, pela escalação irregular do zagueiro Brito. Os jogos contra o Villa Nova foram acordados para serem disputados no Mineirão. Os mandos de campo contra o Valerio, Atletico TC e Sport, no turno, e contra o Uberlandia e o Flamengo, no returno, foram invertidos para o Mineirão, devido a tabela dirigida.

Classificação: 1º Cam (campeão); 2º Cruzeiro; 3º America; 4º Uberlândia; 5º Villa Nova; 6º Valerio; 7º Sport; 8º Flamengo; 9º Atletico TC; 10º Uberaba; 11º Tupi; 12º Fluminense
*os seis primeiros colocados garantiram a classificação para o Campeonato Mineiro de 1971
Artilheiro Máximo: Dario (cam) com 16 gols

Fórmula de disputa
Turno e Returno. Classificação definida no sistema de pontos corridos.

Critérios de participação:
Classificados no Torneio Eliminatório: Uberlândia, Fluminense (Araguari), Valério, Sport (Juiz de Fora), Flamengo (Varginha), Atlético Três Corações, Uberaba e Tupi. Por "direito adquirido" pelo tempo que disputavam a Divisão Extra: America, atletico, Cruzeiro e Villa Nova.

Sistema 4-2-4
Raul (Nêgo), Pedro Paulo, Mario Tito (Raul Fernandes), Fontana e Vanderlei (Neco); Piazza (Zé Carlos) e Dirceu Lopes; Natal, Tostão, Evaldo e Rodrigues. Técnico: Gérson (18), Ilton Chaves (2), Filpo Nuñes (2)

Quem jogou
Dirceu Lopes e Natal 17
Mario Tito 15
Evaldo e Zé Carlos 14
Raul Fernandes 13
Fontana e Rodrigues 12
Neco, Nêgo, Piazza e Vanderlei 11
Pedro Paulo e Tostão 10
Palhinha e Raul 9
Darci, Gilberto, Hilton Oliveira e Lauro 8
Eduardo 7
Moraes 6
Dirceu Batista, Ferreira, Gil, João Ribeiro, Spencer e Toninho 5
Emerson e Tonho 2
Alfredo, Breno e (Brito) 1
*Brito jogou sem estar inscrito no Campeonato

Quem marcou gols
Tostão 9
Dirceu Lopes 8
Evaldo e Zé Carlos 4
Palhinha 3
Gil, Gilberto, João Ribeiro, Natal, Piazza e Rodrigues 2
Eduardo, Ferreira e Raul Fernandes 1
Gol contra: Dema (Fluminense) e Fifi (Sport) 1

Divisão Extra com 24 clubes
Em 1970, a divisão extra deveria ter 24 clubes. Além dos 16 que pertenceram a divisão em 1969, mais 8 clubes foram promovidos através de um campeonato da divisão de acesso em 1969. Foram eles: Flamengo (Varginha), Fluminense (Araguari), Acesita, Caldense, Cassimiro de Abreu, Nacional (Uberaba), Paraense e Sport (Juiz de Fora).

Campeonato somente após a Copa
Com a decisão da Confederação Brasileira do Desporto-CBD de que os campeonatos estaduais somente deveriam iniciar, após a disputa da Copa do Mundo, para não interferir nos preparativos da Seleção Brasileira, e de se encerrarem antes do início do Campeonato Brasileiro em setembro, a FMF foi obrigada a enxugar o Campeonato Mineiro. Assim, o número de participantes foi diminuído de 16 para 10 clubes.

Torneio Eliminatório
America, Atlético, Cruzeiro e Villa Nova estavam confirmados no Campeonato Mineiro por "direito adquirido", ou seja, por estarem disputando o Campeonato há mais tempo. Os outros 20 clubes da divisão extra disputariam as 6 vagas restantes num Torneio Eliminatório.

Clubes convidados
Como America, atletico, Cruzeiro e Villa Nova estavam desobrigados de disputar o Torneio Eliminatório, o presidente da FMF, Coronel Jose Guilherme, decidiu convidar outros quatro clubes da divisão de acesso para substituí-los: Atlético (Três Corações), Araguari, Olympic (Barbacena) e Tupynambas (Juiz de Fora).

Desistências de Usipa e Independente
Após a decisão do Usipa de extinguir o seu quadro profissional e, do Independente, de Uberaba, em se licenciar, o presidente da FMF, Coronel José Guilherme, convidou o Nacional de Muriaé e o Atletic, de São João Del Rey para substituí-los no Eliminatório. Este último sequer havia disputado o certame da divisão de acesso de 1969.

Classificados e rebaixados
O Torneio Eliminatório foi disputado entre os meses de março e maio com os 24 times divididos em três chaves de 8 cada. Os dois primeiros colocados de cada chave pelo critério de “média ponderada do número de pontos e das rendas” garantiriam as seis vagas restantes para o Campeonato Mineiro. Os últimos colocados de cada chave foram rebaixados para a Divisão de Acesso e um “torneio de descenso” foi disputado entre os times restantes, à exceção do Democrata de Sete Lagoas, Araxá, Formiga e Villa do Carmo, que tinham direito adquirido por estarem a mais tempo disputando a Divisão Extra.

Aumento no número de clubes
Em 9 de março de 1970, numa reunião dos clubes, ficou decidido o aumento de 10 para 12 participantes no Campeonato Mineiro. Assim, o Uberaba (3º colocado da chave A do Torneio Eliminatório) e o Tupi (5º colocado da chave B do Torneio Eliminatório) também foram classificados pelo critério da média ponderada de pontos ganhos e arrecadações em seus jogos.

Retorno da tabela dirigida
O conselho divisional decidiu retomar o sistema da "tabela dirigida" no Campeonato da Divisão Extra. A “tabela dirigida” consistia na escolha dos dois jogos principais de cada rodada que deveriam ser disputados no estádio de maior capacidade - o Mineirão. Para a escolha dos jogos 1 e 2 somava-se os pontos dos duelistas da rodada. O duelo que somasse o maior número de pontos seria o jogo 1 e o segundo maior o jogo 2. No caso de empate, adotava-se a soma de gols. Persistindo o empate os jogos 1 e 2 eram apontados em sorteio. Nas quatro primeiras rodadas do Campeonato de 1970, a pontuação final do campeonato de 1969 foi considerada. Quando duas equipes do interior jogarem entre si e tiverem classificados como 1 e 2, os jogos obedecerão o mando de campo fixado na tabela (Diario da Tarde, 23/04/1965).

Rebaixados
Caldense, Sete e Tupynambas foram rebaixados para a divisão de acesso, após se classificarem na última posição de suas respectivas chaves no Torneio Eliminatório.

Fim da maior sequencia invicta da história dos estaduais no Brasil
A derrota do Cruzeiro para o America, por 2 a 1, na 4ª rodada, significou o fim da maior sequência invicta da história dos estaduais no Brasil. A última derrota no Campeonato Mineiro havia sido em 3 de setembro de 1967, também para o América, por 2 a 1. Ao todo foram 70 jogos invictos. O Cruzeiro já era detentor da "Taça Invicto" após a vitória sobre o Villa Nova, por 1 a 0, em 1º de setembro de 1968. Na ocasião, o time estrelado havia alcançado a maior sequencia invicta do estadual, desde a instituição da taça em 1963, com 29 jogos sem derrotas superando a marca anterior do atletico, que era de 28 partidas. Até os dias atuais, esta é a maior sequencia invicta dos Estaduais e a Taça Invicto, de posse transitória, jamais saiu da galeria de troféus do Cruzeiro.
Postar um comentário