quinta-feira, 7 de julho de 2016

Os cartões amarelos e vermelhos

Carlos Henrique

O uso dos cartões amarelo e vermelho passou a ser aplicada a partir do Campeonato Brasileiro de 1971. O primeiro jogo do Cruzeiro em que o árbitro advertiu os jogadores com cartões amarelos foi no empate (1 a 1) contra o Atlético, no Mineirão, em 10 de outubro de 1971. O árbitro carioca José Marçal Filho aplicou as advertências ao lateral direito Pedro Paulo e ao zagueiro Perfumo, ambos do Cruzeiro, além do atacante Romeu, do atletico. Os primeiros cartões vermelhos foram no empate (0 a 0) contra o Bahia, no Mineirão, em 19 de setembro de 1971. Os atacantes, Palhinha (Cruzeiro) e Caldeira (Bahia), foram punidos pelo árbitro paulista Armando Marques. O cartão amarelo ainda era uma mera advertência. O árbitro poderia aplicá-lo mais de uma vez para um mesmo jogador, no mesmo jogo, sem a necessidade de aplicar o cartão vermelho na sequência, como acontece atualmente.

A origem dos cartões amarelo e vermelho na regra do futebol

Por Salvio Spinola, do ESPN.com.br

O dia 23 de julho marca 49 anos do polêmico jogo entre Inglaterra x Argentina, válido pelas quartas de final do Mundial de 1966, no estádio de Wembley.

O capitão argentino Rattín contestou a marcação de uma falta com o árbitro alemão Rudolf Kreitlein, que não entendia nada de espanhol e decidiu usar o dedo indicador para colocar o jogador para fora, expulsando-o de campo diante da reclamação acintosa.

Em fúria, o argentino chegou a pedir um tradutor em campo, mas não adiantou, já estava expulso.

Para polemizar, Rattín sentou na cadeira reservada para a Rainha, que naquele dia não foi ao estádio, e ainda quebrou o mastro da bandeirinha inglesa do escanteio.

Com três idiomas em campo: o inglês da seleção anfitriã, o espanhol dos argentinos e o alemão do árbitro, criou-se um problema de comunicação que precisava de solução.

O chefe dos árbitros na Copa de 70, o inglês Keen Aston, ficou com o desafio de resolver o problema. Ao desembarcar na Cidade do México encontrou a solução.

No seu deslocamento do aeroporto ao hotel, andando no táxi, viu o motorista reduzir a velocidade quando o semáforo ficou amarelo e parar quando acedeu o vermelho, cores com referência mundial: atenção e pare.

Pronto. na Copa do México, foi introduzido o cartão amarelo para advertência, e o vermelho para expulsões, solucionando o problema de comunicação entre árbitros e jogadores.

Em uma das vezes que estive com o árbitro argentino Ángel Coerezza, que apitou três jogos na Copa de 70, inclusive o jogo de quartas de final entre Alemanha x Inglaterra, ele me disse que não foi fácil convencer os árbitros a utilizarem os cartões. Achavam que era falta de autoridade do árbitro, e a maioria não gostava do gesto de levantar o cartão - ele, inclusive, foi contra.

Veja o que diz atualmente a regra 12 na parte disciplinar:

Sanções disciplinares:
O cartão amarelo é utilizado para informar ao jogador, ao substituto e ao jogador substituído, que o mesmo foi advertido.

O cartão vermelho é utilizado para informar ao jogador, ao substituto e ao jogador substituído, que o mesmo foi expulso.
Postar um comentário