quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Campeonato Mineiro 1992

Este foi o time que derrotou o América por 2 a 0 no segundo jogo da decisão do título estadual invicto de 1992. Em pé: Paulo Roberto, Nonato, Célio Lúcio, Douglas, Paulo César; Agachados: Betinho, Boiadeiro, Luiz Fernando, Renato Gaúcho, Roberto Gaúcho e Teotônio (comissão técnica)


Carlos Henrique


Primeira Fase
02/08 - Cruzeiro 1 x 0 Araxá (Fausto Alvim, Araxá)
13/08 - Cruzeiro 2 x 1 Uberaba (Horto)
16/08 - Cruzeiro 1 x 1 Patrocinense (Júlio Aguiar, Patrocínio)
19/08 - Cruzeiro 1 x 0 Nacional de Uberaba (Mineirão)
23/08 - Cruzeiro 2 x 0 URT (Mangueirão, Patos de Minas)
30/08 - Cruzeiro 5 x 0 Mamoré (Mineirão)
06/09 - Cruzeiro 4 x 1 Uberlândia (Parque do Sabiá, Uberlândia)
13/09 - Cruzeiro 3 x 0 Araxá (Horto)
18/09 - Cruzeiro 2 x 0 Nacional (Uberabão)
20/09 - Cruzeiro 1 x 0 Uberaba (Uberabão)
24/09 - Cruzeiro 4 x 0 URT (Mineirão)
27/09 - Cruzeiro 2 x 0 Patrocinense (Mineirão)
18/10 - Cruzeiro 2 x 1 Mamoré (Waldomiro Pereira, Patos)
24/10 - Cruzeiro 7 x 0 Uberlândia (Horto)
Classificação (Grupo A): 1o Cruzeiro, 2o Araxá, 3o Patrocinense, 4o Uberaba, 5o URT, 6o Mamoré, 7o Uberlândia, 8o Nacional; (Grupo B): 1o América, 2o Trespontano, 3o Esportivo, 4o Rio Branco, 5o Associação, 6o Flamengo, 7o Pouso Alegre, 8o Caldense; (Grupo C): 1o Atlético, 2o Democrata-GV, 3o Valério, 4o Democrata-SL, 5o Ipiranga, 6o Villa Nova, 7o Juventus, 8o Tupi


Segunda Fase
01/11 - Cruzeiro 2 x 1 Araxá (Mineirão)
07/11 - Cruzeiro 4 x 1 Democrata-SL (Mineirão)
21/11 - Cruzeiro 1 x 0 Trespontano (Horto)
29/11 - Cruzeiro 2 x 1 Trespontano (Ítalo Tomagnini, Três Pontas)
03/12 - Cruzeiro 0 x 0 Democrata (Duarte de Paiva, Sete Lagoas)
Classificação (Grupo D): 1o Cruzeiro*, 2o Trespontano, 3o Democrata-SL, 4o Araxá; (Grupo E): 1o América*, 2o Rio Branco, 3o Democrata-GV, 4o Uberaba; (Grupo F): 1o Atlético, 2o Esportivo, 3o Valério, 4o Patrocinense
*ponto extra para as semi-finais


Semi-final
06/12 - Cruzeiro 2 x 0 Rio Branco (Parque do Azulão, Andradas)
09/12 - Cruzeiro 8 x 1 Rio Branco (Mineirão)


Final
13/12 - Cruzeiro 3 x 2 América (Mineirão)
20/12 - Cruzeiro 2 x 0 América (Mineirão)


Classificação Final: 1o Cruzeiro (Campeão)*, 2o América*, 3o Atlético, 4o Rio Branco**, 5o Democrata de Valadares, 6o Valério, 7o Democrata-SL, 8o Trespontano, 9o Esportivo, 10o Patrocinense, 11o Araxá, 12o Uberaba, 13o URT, 14o Mamoré, 15o Associação Paraisense, 16o Ipiranga, 17o Flamengo, 18o Uberlândia, 19o Villa Nova, 20o Pouso Alegre, 21o Caldense, 22o Juventus, 23o Tupi, 24o Nacional
*classificado para a Copa do Brasil de 1993
**campeão do interior
não houve rebaixamento
Artilheiro Máximo: Tôto (Cruzeiro) com 12 gols


Critérios de participação
Foi disputado por 24 clubes. O Mamoré e a URT, campeão e vice do módulo II de 1991, respectivamente, substituíram o Fabril e o Ribeiro Junqueira que foram rebaixados em 1991.


Sistema de disputa
Dividido em quatro fases: na primeira, os 24 clubes foram divididos em três grupos e se enfrentaram dentro de suas respectivas chaves em turno e returno. Os quatro primeiros colocados de cada grupo classificaram-se para a próxima fase. Os primeiros colocados das chaves iniciaram a segunda fase com um ponto extra na tabela de classificação. Na segunda fase, os 12 clubes foram divididos em três grupos e se enfrentaram dentro de suas respectivas chaves em turno e returno. Os vencedores dos grupos classificaram-se para as semifinais, além do segundo melhor colocado geral. Nas semifinais, o melhor pontuado (somando-se as duas fases anteriores) enfrentou o quarto melhor colocado e o segundo enfrentou o terceiro. O primeiro e o segundo melhores colocados receberam um ponto extra cada e, por isso, disputaram as semifinais com a vantagem de dois empates. A decisão foi disputada pelos vencedores dos confrontos das semifinais em dois jogos.


Sistema 4-4-2:
Paulo César, Paulo Roberto (Zelão), Luizinho, Célio Lúcio e Nonato; Ademir, Douglas (Rogério Lage), Betinho e Luiz Fernando; Cleison (Tôto) e Roberto Gaúcho (Édson). Treinadores: Jair Pereira (20) e Eduardo (3)


Quem jogou
Jogos
Atletas
21
Cleison, Paulo César
17
Célio Lúcio, Édson, Roberto Gaúcho, Tôto
15
Nonato
14
Betinho, Luiz Fernando, Paulo Roberto
13
Luizinho, Zelão
12
Ademir, Douglas
11
Rogério Lage
9
Agnaldo
8
Arley Álvares, Renato Gaúcho
7
Boiadeiro
6
Jonei
4
Aelson
3
Andrade, Gilberto
2
Adilson, Anderson, Marcus Vinícius, Palhinha, Ramon Menezes
1
Afonso, Cristiano, Dinho, Emerson, Emiliano, Marcelo, Ramalho, Renatinho, Walney

Quem marcou gols
Gols
Jogadores
12
Tôto
11
Renato Gaúcho
9
Cleison
7
Roberto Gaúcho
4
Édson
3
Betinho, Douglas
2
Agnaldo, Luiz Fernando, Paulo Roberto
1
Boiadeiro, Luizinho, Ramon Menezes, Rogério Lage
1
Canário (Mamoré)

Jogos remanejados e concorrência com a Supercopa
Algumas datas dos jogos pelo Campeonato Estadual foram remanejadas, porque coincidiram com as datas da Supercopa. Contra o Nacional, em Uberaba, a data foi antecipada de 4 de outubro para 18 de setembro; e contra a URT, de 7 de outubro para 29 de setembro, por causa da estreia na Supercopa, em 8 de outubro, contra o Atlético Nacional, em Medellin, na Colômbia. Contra o Trespontano foram remanejadas de 11 para 21 de novembro, por causa do jogo da semifinal da Supercopa, contra o Olimpia, no Mineirão; e, de 15 para 29 de novembro, por causa das finais contra o Racing. O jogo contra o Araxá, em 1o de dezembro, em Araxá, foi interrompido aos 29 minutos, devido à chuva. A Federação Mineira cancelou a realização de um novo jogo em outra data, já que o resultado não interferiria na tabela de classificação.

Time dos sonhos
A diretoria cruzeirense investiu US$ 1 milhão (Cr$ 10 bi) para a formação de um time forte para a disputa da Supercopa e do Campeonato Mineiro, no segundo semestre, para apagar a má impressão deixada no início do ano. Assim reforçou o plantel com as contratações do zagueiro Luizinho e do volante Douglas, que estavam em Portugal; a ainda trouxe por empréstimo os atacantes Betinho, Renato Gaúcho e Roberto Gaúcho. O treinador Jair Pereira priorizou a Supercopa e o time reserva foi utilizado em vários jogos sendo, inclusive, dirigido pelo auxiliar técnico Eduardo Amorim.

Decisão contra o América
Foi a 8a decisão de título estadual no Mineirão, desde a inauguração do estádio em 1965. A final de 1992 interrompeu a hegemonia do clássico Cruzeiro e Atlético em decisões. No entanto, foi a segunda decisão de título entre Cruzeiro e América. A primeira havia acontecido há 70 anos e o Coelho levou a melhor; em 1992 foi a vez do Cruzeiro dar o troco.

Campeão invicto
Foi a 7a conquista de campeonato invicta do Cruzeiro. As anteriores haviam sido em 1926 (liga alternativa), 1929, 1930, 1944, 1968 e 1969.
Postar um comentário