terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Jogadores cruzeirenses conquistaram a artilharia máxima em 28 campeonatos

Numa mesma foto do time do Cruzeiro de 1984 constam quatro artilheiros de estaduais: Carlinhos, o primeiro agachado, foi o goleador máximo em 1983; o atacante Palhinha, ao seu lado, em 1975; o atacante, Seixas, ao centro, em 1984; o meio-campista Tostão, o último da fila, em 1982 e 1983.

Carlos Henrique

O Cruzeiro teve 21 jogadores que se tornaram goleadores máximos em 28 campeonatos (Mineiro e da Cidade). O maior destaque é o atacante Ninão com 43 gols em 1928. Esta é a maior marca da história dos campeonatos em Minas. Ele também sagrou-se o artilheiro máximo de três edições consecutivas – 1928, 1929 e 1930. Este feito foi igualado por Tostão em 1966, 1967 e 1968. Outros jogadores estrelados foram artilheiros em mais de uma edição. São eles: Niginho (1931, 1940, 1945), Mauro (1979, 1980) e Tostão II (1982, 1983). O Cruzeiro também teve dois artilheiros num mesmo campeonato. Em 1983, o ponta-direita Carlinhos e o meia-atacante Tostão, dividiram o topo da tabela de goleadores do Estadual com o atacante atleticano Paulinho, todos com 13 gols.

Injustiça com os artilheiros
Desde 1999, quando comecei a trabalhar na assessoria de imprensa do Cruzeiro Esporte Clube (deixei o clube em 2007), venho revelando a lista verdadeira de goleadores dos Campeonatos Estaduais. Esta lista se contrapõe a relação da Federação Mineira de Futebol-FMF que apresenta nomes e dados incorretos dos artilheiros dos campeonatos. Sabe-se que as súmulas dos jogos dos campeonatos até 1984 não existem mais, pois foram incinerados sob as ordens do ex-presidente da FMF, Alcy Álvares Nogueira. No entanto, já naquela época, uma lista de artilheiros capenga e com erros era divulgada pela entidade. Comprovei este fato ao realizar uma pesquisa (que comecei em 1996) nos arquivos dos jornais de Belo Horizonte conferindo todos os jogos – ano a ano – e levantei os autores dos gols de cada partida para chegar aos respectivos quadros de artilheiros. Pude perceber que em algumas edições do campeonato, esta lista que constava na FMF, referia-se ao artilheiro do time campeão e não do campeonato; em outros casos, a lista apresentou o líder da artilharia, até uma certa rodada ou o número incorreto dos gols. Assim muitos artilheiros do Cruzeiro e de outros clubes foram vítimas desse desleixo histórico da entidade que “dirige” o futebol mineiro.

Ano
Artilheiros
Gols
1921
Gérson Coelho (América)
14
1927
Mário (Atlético)
27
1928
Ninão (Cruzeiro)
43
1929
Ninão (Cruzeiro)
33
1930
Ninão (Cruzeiro)
18
1931
Niginho (Cruzeiro)
15
1932
Didico (Alves Nogueira)
14
1932
Bengala (Cruzeiro)
12
1933
Paulista (América), Lage (Tupi), Canhoto (Villa Nova)
13
1933
Canhoto (Villa Nova)
10
1934
Alfredo (Villa Nova)
10
1935
Mergulho (Villa Nova)
12
1936
Guará (Atlético)
15
1937
Arlindo (Siderúrgica)
9
1938
Guará (Atlético)
18
1939
Arlindo (Siderúrgica)
9
1940
Niginho (Cruzeiro)
12
1941
Ceci (Siderúrgica)
17
1942
Tião (Atlético)
12
1943
Alcides (Cruzeiro)
9
1944
Ceci (Villa Nova), Baiano (Atlético)
11
1945
Niginho (Cruzeiro), Lucas (Atlético)
14
1946
Lêro (Atlético)
15
1947
Lêro (Atlético)
11
1948
Petrônio (América)
17
1949
Celso (Siderúrgica)
15
1950
Nívio (Atlético)
13
1951
Lucas (Atlético)
15
1952
Vavá (Atlético)
15
1953
Escurinho (Villa Nova)
17
1954
Raimundinho (Cruzeiro)
13
1955
Biguá (Democrata-SL)
16
1956
Tomazinho (Atlético)
19
1957
Bertôlo (Democrata-SL)
16
1958
Silvestre (Siderúrgica), Paulinho (Uberaba)
10
1959
Gunga (América)
17
1960
Miltinho (Sete)
30
1961
Amauri (América), Gilberto (Pedro Leopoldo)
14
1962
Marco Antônio (América)
21
1963
Fazendeiro (Uberlândia), Viladônega (Atlético)
12
1964
Jair Bala (América)
19
1965
Roberto Mauro (Atlético)
17
1966
Tostão (Cruzeiro)
18
1967
Tostão (Cruzeiro)
20
1968
Tostão (Cruzeiro)
20
1969
Dario (Atlético)
28
1970
Dario (Atlético)
16
1971
Jair Bala (América)
15
1972
Dario (Atlético)
22
1973
Campos (Atlético)
15
1974
Dario (Atlético)
24
1975
Palhinha (Cruzeiro)
10
1976
Marcão (América)
13
1977
Eli Carlos (Cruzeiro)
17
1978
Luís Alberto (Valério)
12
1979
Mauro (Cruzeiro), Fernando Roberto (Guarani)
15
1980
Mauro (Cruzeiro)
18
1981
Wagner (América)
16
1982
Tostão II (Cruzeiro)
17
1983
Paulinho (Atlético); Carlinhos e Tostão II (Cruzeiro)
13
1984
Carlos Alberto Seixas (Cruzeiro)
14
1985
Everton (Atlético)
16
1986
Nunes (Atlético)
26
1987
Luisão (Tupi), Carlos Henrique (Uberlândia)
12
1988
Hamilton (Cruzeiro)
16
1989
Gérson (Atlético)
19
1990
Sílvio (América)
20
1991
Gilmar Estevam (Democrata GV)
14
1992
Tôto (Cruzeiro)
12
1993
Hamilton (América), Alexandre Cotta (Uberlândia)
10
1994
Ronaldo (Cruzeiro)
22
1995
Renaldo (Atlético)
13
1996
Marcelo Ramos (Cruzeiro)
23
1997
Rinaldo (América)
12
1998
Marques (Atlético)
13
1999
Ditinho (URT)
12
2000
Joãozinho (Ipatinga), Ditinho (URT)
14
2001
Guilherme (Atlético)
10
2002
Gustavinho (Caldense)
09
2003
Guilherme (Atlético)
13
2004
Alex (Cruzeiro)
14
2005
Fred (Cruzeiro)
12
2006
Marcelo Pelé (Democrata SL)
9
2007
Araújo (Cruzeiro)
11
2008
Jajá (Guarani)
7
2009
Diego Tardelli (Atlético)
16
2010
Eraldo (Democrata GV)
11
2011
Fábio Júnior (América)
13
2012
Wellington Paulista (Cruzeiro)
11
2013
Júnior Negão (Tombense)
8
2014
Mancini (Villa Nova)
7
2015
Leandro Damião (Cruzeiro)
9
2016
Robinho (Atlético)
9
*Não há registro dos goleadores e o número de gols marcados entre os campeonatos de 1915 e 1920, mais os campeonatos entre 1922 e 1926. Os poucos jornais que restam no período não costumavam publicar os autores dos gols, apenas os resultados dos jogos. Em 1932 ocorreram dois campeonatos organizados por Ligas distintas: Didico, do Alves Nogueira, sagrou-se artilheiro do Campeonato oficial organizado pela Liga Mineira e Bengala foi o goleador máximo do certame organizado pela liga alternativa. Em 1933, foram disputados, simultaneamente, dois campeonatos: o campeonato mineiro e o da Cidade.

Postar um comentário