domingo, 26 de março de 2017

BRITO

O treinador Brito na saída de um treino na Toca da Raposa.
Querido e apoiado por torcedores e atletas.

Carlos Henrique

Hércules Brito Ruas (Rio de Janeiro, RJ, 09/08/1939). O ex-zagueiro titular da Seleção Brasileira campeã mundial de 1970 foi anunciado, em 22 de janeiro de 1982, como o novo treinador do Cruzeiro. A indicação de Brito surgiu de forma inusitada. O presidente Felício Brandi estava frustrado com as tentativas de contratar Daltro Menezes, do Vitória, e se reuniu com o plantel pedindo que indicassem outro treinador e os jogadores elegeram Brito.

O Cruzeiro era o primeiro grande desafio da carreira do treinador de 42 anos, que só havia dirigido o Democrata de Valadares e o Bonsucesso-RJ. Brito chegou ao Barro Preto, no dia 23 de janeiro, e foi recepcionado por Nelinho, seu parceiro de peladas nas praias cariocas. “Você está vindo dirigir um time médio de um clube grande”, avisou o lateral. O Cruzeiro de 1982 não era mais aquele que Brito defendeu como jogador em 1970. O clube vinha passando por uma série crise administrativa, salários atrasados, plantel inchado e brigas internas.

Em seu primeiro treino na Toca foi recepcionado carinhosamente pela torcida. Os cruzeirenses ainda não haviam esquecido sua passagem como jogador do clube. Brito se assustou com o plantel de 50 jogadores na Toca. Muitos deles sem qualidades técnicas para estarem num clube grande. Sabia que sua chegada significava a elaboração de uma lista de dispensas e procurou tratar a questão com diplomacia. Assim, avisou que não pediria contratações e que tentaria formar um grupo competitivo com o que tinha.

Sua estreia foi na vitória por 2 a 0 sobre o Bahia, no Mineirão, em 24 de janeiro, pelo Campeonato Brasileiro. Brito sequer havia dado um treino e ainda mal conhecia os jogadores. A sequência do Campeonato foi um desastre. O time estrelado sofreu derrotas vexatórias para equipes medianas e caiu diante da Anapolina-GO, por 1 a 0, no Mineirão, em 20 de março. O resultado reduziu as chances da equipe de avançar para a terceira fase e obrigou o time estrelado a vencer o Fluminense, no Maracanã, na última rodada. No entanto, a diretoria dispensou Brito, em dia 22 de março, sob justificativas pífias. “Disseram que a derrota para a Anapolina foi porque não escalei o Joãozinho. O próprio jogador me pediu para entrar no segundo tempo, pois não estava em suas melhores condições físicas”, justificou o treinador.

A saída de Brito provocou uma crise jamais vista na história do clube. Nelinho, o craque do time, se recusou a entrar em campo contra o Fluminense e outros jogadores o acompanharam. Alguns retornaram, no mesmo dia, para seus clubes de origem. Por fim, conselheiros e torcedores tomaram a iniciativa de criarem um movimento pedindo a renúncia de Felício Brandi, que estava há 21 anos na presidência.

Os números do treinador Brito no Cruzeiro:
Competição
Jogos
Vit
Emp
Der
Posição
Campeonato Brasileiro
13
6
1
6
21o

Postar um comentário