quarta-feira, 29 de março de 2017

O Spray demarcador de barreiras

Carlos Henrique

O spray demarcador de barreira nas cobranças de faltas começou no Brasil e foi experimentado, pela primeira vez, em jogos de futebol profissional, pelo árbitro Cléver Gonçalves, no clássico entre América e Cruzeiro, no Horto, em 10 de fevereiro de 2001. O demarcador havia sido criado por Heine Allemagne, que apesar do nome, é mineiro, de Ituiutaba, e seu uso experimental foi na Taça BH de Futebol Júnior de 2000. Liberado pela CBF, o spray passou a ser utilizado nos jogos do Campeonato Mineiro em 2001. A espuma impede os defensores de invadir o espaço de 9 metros entre o cobrador da falta e a barreira e desaparece em 60 segundos. Em 2014 o spray de Heine foi usado, pela primeira vez, pelos árbitros no Mundial, disputado no Brasil.

CRUZEIRO 4 x 1 AMÉRICA
10/02/2001 (Sab-16h) - Campeonato Mineiro - Horto
Ingressos: 3.268 (R$ 27.581,)
Arbitragem: Cléver Gonçalves (Helbert Andrade e Roberto Nasta)
Gols: Geovanni 4’; Cléber 19’; Geovanni 40’; Marcelo Ramos 49’; Fabrício (falta) 80’
Cruzeiro: Bosco, Jackson, Cris, Cléber e Sérgio Manoel (Alex Santos); Marcus Vinícius (Maicon), Ricardinho, Jorge Wagner e Cléber Monteiro; Oséas e Geovanni (Marcelo Ramos). T: Luiz Felipe
América: Raniere, Ruy, André Figueiredo (Arley Álvares), Welington Paulo e Fabrício; Moacir, Claudinei, Tucho e Marcelo Borges; Alessandro (Fabrício Lima) e Rodrigo (Flávio Galvão). T: Procópio
CA: S. Manoel (C); Claudinei, Rui, W. Paulo, Fabrício, Moacir, M. Borges (A)
Postar um comentário