terça-feira, 9 de maio de 2017

Supercopa 1991



Cruzeiro e River Plate fizeram a final da Supercopa de 1991 

Carlos Henrique

OITAVAS DE FINAL

CRUZEIRO 0 x 0 COLO COLO (CHI)
02/10/1991 (Qua-21h) - Mineirão
Ingressos: 60.196 (81.543) (Cr$ 106.591.000,)
Arbitragem: Juan C. Crespi/ARG (Juan C. Loustau/ARG e Abel Gnecco/ARG)
Cruzeiro: Paulo César, Zelão, Adilson, Paulão e Nonato; Ademir©, Boiadeiro e Luiz Fernando; Mário Tilico, Charles e Marquinhos (Paulinho/57’). T: Enio Andrade
Colo Colo: Morón, Garrido, Peralta, Ramírez e Salvatierra; Mendoza, Adomaitis (Ormeño/77’), Vilches e Barticciotto; Yáñez e Martínez (Rubio/61’). T: Mirko Jozic
CA: Paulão (C); Barticciotto (Cl)
*Publico divulgado no Chile foi de 81.543

CRUZEIRO 0 x 0 COLO COLO (CHI)
09/10/1991 (Qua-20h) - Monumental (Santiago, Chile)
Ingressos: 40.309 (U$ 274.000,) (72.241.000)
Arbitragem: Francisco Lamolina/ARG (Ricardo Calábria/ARG e Juan C. Biscay/ARG)
Cruzeiro: Paulo César, Zelão, Paulão, Adilson e Nonato; Ademir©, Boiadeiro e Luiz Fernando; Mário Tilico, Charles e Marquinhos (Paulinho/65’). T: Enio Andrade
Colo Colo: Morón, Garrido, Gabriel Mendoza, Peralta e Ramírez; Adomaitis (Dabrowski/83’), Vilches e Barticciotto; Yáñez e Pérez (Rubio/68’) e 11-Ruben Martínez. T: Mirko Jozic
CA: Adilson, Boiadeiro (C); Yáñez (Cl)
*Tiros livres: Cruzeiro 4-3

QUARTAS DE FINAL

CRUZEIRO 4 x 0 NACIONAL (URU)
16/10/1991 (Qua-21h30) - Mineirão
Ingressos: 55.478 (Cr$ 102.190.000,)
Arbitragem: Hernán Silva/CHI (Salvatore Imperatore/CHI e Victor Ojeda/CHI)
Gols: Charles 7’, Charles 20’, Boiadeiro 80’, Charles 88’
Cruzeiro: Paulo César, Zelão, Paulão, Adilson e Nonato; Ademir©, Boiadeiro e Luiz Fernando (Macalé); Mário Tilico, Charles e Marquinhos (Paulinho). T: Enio Andrade
Nacional: Seré, Tony Gomez, Reveléz, Wilmar Cabrera e Pintos Saldaña; Noé, Norán, Saralegui e Venancio Ramos; Dely Valdez e Nuñes (Cardaccio). T: Raul Moller
CA: Ademir, Zelão (C); Noran, Cabrera, Venicio, Saldaña (N)

CRUZEIRO 0 x 3 NACIONAL (URU)
23/10/1991 (Qua-21h30) - Centenário (Montevidéu, Uruguai)
Arbitragem: Carlos Maciel/PAR (Efigênio M. Verdem/PAR e Estanislao Barros/PAR)
Gols: Cabrera 26’, Venancio Ramos (pênalti) 74’, Nuñez 90’
Cruzeiro: Paulo César, Zelão, Paulão, Adilson e Nonato; Ademir©, Boiadeiro e Luiz Fernando; Mário Tilico, Charles (Macalé) e Marquinhos. T: Enio Andrade
Nacional: Seré, Tony Gomez, Revelez, Wilmar Cabrera e Pintos Saldaña; Norán, Saralegui, Noé (Edgar Borges) e Venancio Ramos; Dely Valdez e Nuñes. T: Raul Moller
CA: Charles (C)

SEMIFINAL

CRUZEIRO 1 x 1 OLIMPIA (PAR)
31/10/1991 (Qui-21h30) - Mineirão
Ingressos: 49.963 (Cr$ 115.960.000,)
Arbitragem: José T. Cardena/COL (Jorge Zuluaga e Juan M. Gomes)
Gols: Marquinhos 10’; Guirland 65’
Cruzeiro: Paulo César, Zelão, Paulão, Adilson e Nonato; Ademir©, Boiadeiro e Luiz Fernando; Mário Tilico, Charles (Macalé) e Marquinhos. T: Enio Andrade
Olimpia: Battaglia, Cáceres, Delgado, Ramírez e Suárez; Adolfo Jara Heyn, Balbuena, Guasch e Guirland (Romerito); Sanabria e Gonzalez (Castro). T: Anibal Ruiz
CA: Delgado (O)

CRUZEIRO 0 x 0 OLIMPIA (PAR)
06/11/1991 (Qua-22h) - Defensores del Chaco (Assunção, Paraguai)
Ingressos: 15.680 (90.615.000 guaranis)
Arbitragem: Juan Bava/ARG (Abel Gneco/ARG e Ricardo Calábria/ARG)
Cruzeiro: Paulo César, Zelão, Paulão, Adilson e Nonato; Ademir©, Boiadeiro e Luiz Fernando (Paulinho); Mário Tilico, Charles e Andrade (Macalé). T: Enio Andrade
Olimpia: Battaglia, Cáceres (Franco), Delgado, Ramírez e Suárez; Balbuena, Guasch, Guirland e Sanabria; Gonzalez, Adolfo Jara Heyn. T: Anibal Ruiz
CA: Ademir, Andrade, Paulão (C)
CV: Paulão (C)
Tiros livres: Cruzeiro 5-3

FINAL

CRUZEIRO 0 x 2 RIVER PLATE (ARG)
13/11/1991 (Qua-22h) - Monumental de Nuñez (Buenos Aires, Argentina)
Renda: U$ 626.666 (814 mil)
Arbitragem: Jorge Orellana/EQU (Elias Jacome/EQU e Wilton Villavivencia/EQU)
Gols: Guillermo Rivarola (pênalti) 31’, Jorge Higuaín 89’
Cruzeiro: Paulo César, Zelão, Vanderci, Adilson e Nonato; Ademir©, Boiadeiro e Luiz Fernando; Mário Tilico (Paulinho/68’), Charles (Macalé/60’) e Andrade. T: Enio Andrade
River Plate: Comizzo, Gordillo, Higuaín, Rivarola e Carlos Enrique; Leonardo Astrada (Zapata), Hernán Díaz, Borelli e Medina Bello; Ramón Díaz e Silvani (Berti/46’). T: Daniel Passarella
CA: Zelão/7’, Tilico, Ademir/36’, Nonato (C)

CRUZEIRO 3 x 0 RIVER PLATE (ARG)
20/11/1991 (Qua-21h) - Mineirão
Ingressos: 67.279 (Cr$ 218.402.000,)
Arbitragem: Hernán Silva/CHI (Gastan Castro/CHI e Enrique Marin/CHI)
Gols: Ademir 33’, Mário Tilico 51’, Mário Tilico 74’
Cruzeiro: Paulo César, Nonato, Adilson, Paulão e Célio Gaúcho; Ademir©, Boiadeiro e +Luiz Fernando (Macalé/17’); +Mário Tilico (Paulinho/82’), Charles e Marquinhos. T: Enio Andrade
River Plate: Comizzo, Gordillo, Higuaín, Rivarola e Carlos Enrique; Hernán Diaz (Berti/76’), Leonardo Astrada, Zapata (Toresani/50’) e Borelli; Medina Bello e Ramón Díaz. T: Daniel Passarella
CA: Paulão/44’ (C); Rivarola/88’, Comizzo/89’ (R)

Classificação Final: 1º Cruzeiro (Campeão)*; 2º River Plate; 3º Peñarol; 4º Olimpia; 5º Flamengo; 6º Nacional; 7º Santos; 8º Independiente; 9º Grêmio; 10º Colo Colo; 11º Boca Juniors e Estudiantes; 13º Racing; 14º Argentinos Juniors
Artilheiro Máximo: Charles (Cruzeiro), Borelli (River), Gaúcho (Flamengo) e Martinez (Peñarol) com 3 gols
*finalista da Recopa 1992

Critérios de Participação
Disputada pelos 15 campeões da Taça Libertadores de 1960 a 1991: Peñarol (1960/61/66/82/87), Santos (1962/63), Independiente (1964/65/72/73/74/75/84), Racing (1967), Estudiantes (1968/69/70), Nacional (1971/80/88), Cruzeiro (1976), Boca Juniors (1977/78), Olimpia (1979/90), Flamengo (1981), Grêmio (1983), Argentinos Juniors (1985) e River Plate (1986); Atlético Nacional (1989); Colo Colo (1991)

Sistema de disputa
Dividida em quatro fases: na primeira as 12 equipes foram distribuídas em 6 chaves com duas cada, que se enfrentaram em turno e returno dentro de seus respectivos grupos. Avançou para a próxima fase, a equipe que somou o maior número de pontos em cada chave.

Na fase quartas de final as seis equipes, mais o Olimpia, atual campeão da Supercopa, e o Independiente, que entrou nesta fase, foram distribuídas em quatro chaves com duas cada, que se enfrentaram em turno e returno dentro de seus respectivos grupos. Avançou para a próxima fase, a equipe que somou o maior número de pontos em cada chave.

Na semifinal as quatro equipes foram distribuídas em duas chaves com duas equipes cada, que se enfrentaram em turno e returno dentro de seus respectivos grupos. Os vencedores de cada chave avançaram para a final.

Na fase final as duas equipes se enfrentaram em turno e returno. A equipe que somou o maior número de pontos sagrou-se campeão.

Atlético Nacional fora
Os clubes colombianos estavam suspensos das competições internacionais devido ao narcotráfico naquele país. Assim, o Atlético Nacional de Medellin não disputou a Supercopa de 1991.

Critérios de desempate
Maior saldo de gols, caso ocorresse o empate em número de pontos, para desempatar o confronto. Caso ocorresse o empate neste critério também, a decisão da vaga seria decidida na disputa de tiros livres da marca penal.
Postar um comentário